gold #1

Taro entered the ball room. Everyone was swinging to the enchanting music and so no one noticed him there. He grabbed a drink from a waiter passing by and his eyes met with Ken, who smiled. His brother kept on dancing with his partner although Taro could notice he was waiting to get out of her arms. Her dress was too loud, too bouncy. She was grabbing him with such strength that Ken was almost carrying her around instead of dancing. He barely faced her as he was scanning everyone in that ballroom, gathering information no one else could with just his eyes. 
The song was over. Ken bowed in respect and left her side. The girl didn't manage to get any words out of her mouth before he became unreachable. 
- So, is everything ready? 
Taro nodded.
The music started playing again. Some of the ones who were dancing decided to leave this one out. Others who didn't get the chance earlier jumped right in formation. Taro had a glimpse of the empty throne when everyone stepped aside. 
- It shouldn't be long, now - said Ken, who grabbed himself a glass of champagne.
As soon as he said that, the doors behind him opened. People who were dancing stopped but the music kept playing, slightly changing to suit the Queen's entrance. 
Taro noticed the smell first, a mix between flowers, citrus and something else he didn't really want to pronounce. Then her gown, white with red and gold details that circled her from the bottom to top. Her hair, black as night, was gently pulled back, some strands braided, to fall until a gold ornament catched it to fall again and get caught, until it became loose again. Her hands were hidden by her long and bell sleeves. Her eyes were traced by red and her lips colored with blood. The Queen's fair skin had a pink glow, as if she was just outside picking flowers although it's night. In her hair she wore the nation's emblem. 
Behind her came her brother, the prince. Tall and handsome, wearing blue and white with gold and red details on his gown. 
The ladies in the ballroom looked at Naoko with admiration and with jealousy. But at the prince, they looked with loving and desperate eyes. The men didn't dare look away from the Queen. 
Naoko slightly turned her head to Taro and Ken and gave them a subtle bow. Now, the guests had finally realised his presence and looked quite embarred and shocked for not noticing him before. 
- You're gonna have your plate full the rest of the night, brother - said Ken. 
- What a delight - he sipped on his drink.
The Queen and her brother made their way onto their thrones and Naoko allowed everyone to dance. They did as the Queen said and some prince from the warm lands tried to invite her to dance, which she denied. Naoto didn't look bored, but didn't look amused. He had his straight face on, which made people be carefull with the way they approached him. 
After some glances, Taro finally decided to go the Queen. 
- Everything is ready - he said. 
- Good. What about..
- He's on the field, just as you asked. He said he wants a week off. 
Naoko hid her giggle with her hand. 
- Did he? 
Ken showed up with a drink in his hand. 
- Your Majesty. 
- Thank you, Ken - she thanked him and sipped on the red drink. - Well, I'll talk to him when he gets back. Good job, boys. Now go and enjoy the ball. That girl over there in green is looking at you funny, Ken. 
- Funny definetly isn't the right word, sister - he noted. - The prince that asked you earlier looks way better than that green mess. 
- I thought so too, but when he opened his mouth I quickly changed my mind. 







Kit aimed his arrow to a tree. Some birds flew to somewhere safer. Rushed footsteps informed him to where to go. A group of five followed his lead through the white forest. Quietly they moved and Kit could hear every sound perfectly. He was so close. He let out a silent sigh before grabbing a new arrow. The men behind him followed as he did. They kept walking without being seen or heard, finally reaching where their prey was. He turned around and gave directions to his team. Kit stepped forward and saw a frozen lake. His target was standing in the middle of it. Even if he didn't kill him, he would freeze to death. He smirked while imagining Naoko's angry face if he said he left the boy to freeze to death.
The Queen's knight grabbed another arrow. He saw his men in place and told them to stand by. Kit placed his arrow in the bow. His grip was steady and strong. He took a deep breath through his black mask. The man standing in the middle of the lake turned around and saw him, as well as the arrow, right before he collapsed. Kit had been kind, as he figured he was still young, and shot him right in the head. His men stood up and two of them collected the body. 
- Let's go - he said. - Quickly! 







- Is Kit back yet? - Naoko asked to one of her ladies. 
- I'll go check, Your Majesty - one of them answered. 
Naoko got out of her ball gown and was now undoing her hair. 
- He just arrived, Your Majesty - she was informed. 
- Give me a robe. 
The Queen quickly got dressed in a red robe she tied herself, walking out of her room to where he was. A lady tried to follow her in a composed pace. When they arrived, Naoko didn't knock. Some of the men there became shy at the Queen's presence.
- Kit? - she called.
Kit turned his head around and saw Naoko standing at the door with rose colored cheeks.
- You should've knocked - he said, hearing the guys behind him quickly changing into their normal clothing.
- Did it go okay?
Kit put on a white tank top and went to the Queen.
- Yes, it did - Naoko let out a sigh of relief. - What was that? Did you not expect me to finish the job?
- Of course not - she assured him. - I just dont like loose ends.
They looked into each others eyes' for a few moments with a blank expression on their faces. Both of them analized each other, looking for something to make this meeting longer.
- I see you're not hurt - Naoko noticed. - Are you hungry? - she asked.
Kit nodded. - Hum.
- I prepared something for you and the others - Naoko scanned him one last time before looking at his green eyes. - I have to go now.
The Queen took one step back and turned around.
- What about my one week?
- I'll give it to you - she faced him with a subtle smile. - But it only starts two days from now. Is that okay?
- What do you need me for?
- Nothing important - Naoko assured him. - Just rest, now. Good job, boys - she said to the group behind Kit.
They smiled and bowed, all dressed now.
Kit remained in the same spot, watching the Queen's silhouette disappear. 

As Fases da Lua - Website ☾


Para o meu projecto de multimédia foi sugerido a criação de um website. Eu assim o fiz e o meu tema foi apresentar a história sobre Luna e Sol - As Fases da Lua. Neste website pretendo dar a conhecer a história, bem como as personagens e mostrar os espaços envolventes do enredo. Para alguém que se calhar acompanhou a história no blogue, alguns pormenores podem diferir pois ao longo dos anos venho a ponderar sobre as alterações necessárias a serem feitas. As imagens que estão dispostas no site foram desenhos feitos por mim. Tudo o resto tem o seu respectivo crédito. Em caso de dúvidas o site fornece um espaço para me fazerem perguntas ou podem comentar aqui. 

Underneath: Short Story #4

      Ryan estava a dizer adeus à mãe quando ouviu o sinal de outra chamada na linha. Desviou rapidamente o telemóvel do ouvido e viu a fotografia de Melody a fazer uma careta no ecrã ao lado da imagem da mãe. Ele despediu-se com beijinhos e prometeu ligar no dia seguinte. Atendeu por fim a chamada de Melody. 
- Olá, estamos quase a sair de casa. Precisam que levemos jantar ou assim? 
- Não, bastam as bolachas, obrigado. 
- Está bem. Até já - e desligou.
      Nem um minuto passou e Melody e Violet apareceram na sala com um saco grande.
- Boa noite - disseram elas. 
- Olá - disse Ryan que sorriu e colocou o telemóvel no bolso das calças do pijama. 
- Jantaram bem? - perguntou Violet, dando uma olhadela ao apartamento.
- Sim. Ficaram com muito trabalho depois de sairmos?
- Um pouco. Mas os vossos pais e os Planetas ajudaram e despachou-se tudo num instante - respondeu Violet.
- Ainda bem.
- Isto aqui é mais confortável do que pensava - comentou Melody, observando o sofá cinzento repleto de almofadas, o tapete fofo por baixo dele, o balcão da cozinha decorado com uma pequena planta num vaso branco. - Onde está o Troy? 
- No quarto - Ryan suspirou. - Acho que adormeceu.
- Está a dormir no chão? - perguntou Violet.
- Não - ele abanou a cabeça. - Passado quase uma hora de chegarmos, vieram montar-nos o beliche. Pousa ali o saco, Vi - Ryan indicou-lhe o balcão e conduziu-as ao quarto deles por um curto corredor que no seu final tinha uma janela altíssima e uma planta alta num dos cantos da parede.
     Nas paredes já haviam algumas fotografias mas muitas das molduras estavam vazias. Toda a casa cheirava a nova e a perfume, claramente desprovida de adolescentes e a sua confusão. Havia caixas aqui e acolá, fossem elas com roupa, bandas desenhadas ou decoração. Ambas julgaram que tudo estaria arrumado mas ao notarem os olhos cansados de Ryan perceberam que isso era assunto para o dia seguinte. O apartamento em geral era pequeno e o suficiente para os dois: um quarto, uma sala e cozinha conjunta, uma casa de banho e um armário de arrumações. O que ambas gostaram nele foram as janelas que deixavam entrar muita luz.
    Ao entrarem no quarto, em frente à casa de banho, de paredes num tom azul-acinzentado, viram que este estava imaculado. As duas secretárias, uma virada para a janela alta e larga, outra para a parede, continham o computador portátil de cada um, os seus livros para a faculdade, vários suportes de canetas, alguns dicionários (os de Troy estavam num estado muito pobre) e algumas fotografias. Entre elas estavam uma estante estreita preenchida apenas na última prateleira. Na parede oposta à da janela estava um armário branco grande de madeira. Era visível o toque das mães Evans e Bennett naquele apartamento. Pelo quarto havia caixas com roupa troupa r e sapatos escritos.
     As gémeas descalçaram-se e colocaram os sapatos no pequeno espaço entre o caixote do lixo e a porta e deleitaram-se no tapete macio. Violet aproximou-se da cama de baixo do beliche onde Troy dormia profundamente com a mão no peito. Primeiro, passou a mão no rosto dele, em seguida, apertou-lhe o nariz suavemente, apenas para o despertar, e viu os olhos azuis esverdeados de Troy brilharem com a luz. Ele piscou os olhos várias vezes para se habituar à luminosidade e depois sorriu ao vê-la. 
- Já vieram... -  murmurou e passou a palma da mão pelo olho, massajando-o. - Que horas são? 
- Demasiado cedo para estares a dormir, Evans - queixou-se Ryan que se sentou na cadeira da sua secretária. Porém, Ryan não parecia estar qualificado para dizer tal coisa.
- Eu disse que não tinha pregado olho ontem à noite - justificou. - Bem, mas já acordei. Vamos lá comer as tais bolachas. 
- Estou à espera de prová-las desde que soube que iam ser feitas! - comentou Ryan com um bocejo.
- Prometemos que são as melhores bolachas - assegurou Melody, já a levantar-se em busca do saco na cozinha. 
     Ao ver que a irmã estava mais entretida a falar com o namorado, ela lançou um olhar pedinte a Ryan que se levantou da cadeira, preguiçosamente, e caminhou atrás dela. Ele queria tanto dormir quanto Troy e estar com os olhos abertos era um sacrifício que ele continuava. 
- Queres algum sumo, Mel? - perguntou ele abrindo o frigorífico abastecido de tudo e mais alguma coisa. 
- Sim, para vos acordar - respondeu, tirando a caixa com as bolachas grandes e redondas decoradas com os seus respetivos símbolos astrais do saco. - Mas nada com gás. 
- Também acho que não temos nada com gás - respondeu, observando o interior do frigorífico de cima a baixo. 
     Ele tirou uma garrafa de iced tea do frigorífico e sacou de quatro copos do armário vidrado. Pegou em pratos pequenos e guardanapos e foi equipado atrás de Melody para o quarto. Troy já estava de pé, com o tronco nu em frente ao armário meio vazio à procura do pijama. 
- Eu não trouxe o meu - disse Melody que parou na porta. Ryan quase que caiu em cima dela.
- Não faz mal - assegurou-lhe Troy. - Eu e o Ryan emprestamos qualquer coisa - e colocou uma t-shirt azul escura. 
     Despiu as calças e num ápice tinha uns calções em xadrez vestidos. 
- Agora vamos lá provar essas bolachas. 
     Ryan distribuiu os pratos, os guardanapos e entregou um copo a cada um. (Nenhum deles usou os pratos.) Colocou um pano de cozinha entre eles e Melody pousou a caixa com as bolachas no centro, perto da garrafa de sumo. Troy pegou numa das bolachas com o seu símbolo de Estrela, cheirou-a e deu-lhe uma trinca. 
     Primeiro encontrou os bocados de chocolate que encheram a sua boca de súbita felicidade e derreteram passado instantes. Depois, o sabor do açúcar no topo adicionou uma textura mais mole, doce e suave. Estavam crocantes e saborosas. Naquele momento, Troy não se lembrava de algo tão bom quanto aquilo.
- Isto é o melhor mimo de todos - suspirou Troy.
- Podem aparecer cá todos os dias se vierem com estas bolachas - acrescentou Ryan, já prestes a comer a segunda. 
- Não, não - disse Violet. - Para a próxima são vocês a fazerem-nos um mimo. 
     Ryan e Troy entre-olharam-se e os rostos decididas das gémeas não deixavam margem para dúvidas.
- Tudo bem - aceitou Ryan, meio a brincar, meio a levar a sério a proposta delas. 
- Vê lá em que nos estás a meter, Bennett. 
- Estou com expectativas muito altas, rapazes - disse Melody, trincando a sua bolacha. - Não desapontem. 
     Melody lançou-lhes um olhar malicioso e intenso que raramente tinham visto. Isto calou-os, surpreendidos com o brilho âmbar dos olhos de Marte e os lábios de Violet curvaram-se num sorriso. 
- Está prometido - garantiu Troy. - Vão até chorar de felicidade quando provarem o nosso mimo. 
- Evans...  
- Queremos ver isso - disse Violet. 
- Não se entusiasmem tanto... - murmurou Ryan, preocupado.
- Estamos a brincar, Ryan. Mas mesmo assim, não é suposto falharem - disse Melody. 
- Pois é. Eu acordei demasiado cedo para acabar a camada de açúcar. 
- Shhh - fez Troy, colocando o dedo nos lábios dela. - Não fales em dormir que eu ainda caio para o lado. 
- Podia dormir aqui... - Ryan assentia lentamente - no chão - disse ele com um olhar vazio preso nas bolachas. 
     As gémeas fitaram-se e depois olharam para os rapazes. Os dois tinham olheiras debaixo dos olhos, os ombros caídos de cansaço e nenhuma energia no corpo. Passado minutos de silêncio decidiram deixá-los descansar. Ambas levantaram-se. 
- É melhor irmos embora.
- Não não não - disse Troy, abanando a cabeça. - Fiquem - e agarrou a mão de Violet. 
- Vocês estão a dormir em pé, ou melhor, sentados - observou Melody, fitando Ryan. 
- Amanhã só temos de organizar o apartamento. Aguentamos mais um pouco, não achas, Evans? - sorriu, ainda a fitar a caixa de bolachas. 
- Claro! Claro. 
     Violet com a mão na anca, encarou a irmã sem saber o que fazer. Os dedos dela já estavam a entrelaçar-se com os de Troy.
- Fiquem. Pode ser, Mel? - perguntou Troy.
     Melody ficou a ponderar alguns instantes, até finalmente ceder.
- Pronto, tudo bem. 
      Troy e Ryan sorriram apesar deste último parecer um autêntico zombie.  
- Vamos para a sala - disse Violet agarrando as mãos de Troy para levantá-lo. 
- Nãããooo - resmungou ele. 
- Anda lá, dorminhoco! 
- Vamos, Ryan - Melody estendeu as suas mãos para Ryan as agarrar. Ele pegou nelas com muita preguiça. - Anda lá. 
     Ele levantou-se e ergueu-se como uma torre, pousando os braços nos ombros de Melody, de olhos meio abertos, meio fechados. Melody fitou a irmã e Troy sem saber o que fazer com o rapaz. Ele tinha cedido ao sono em segundos. Violet e Troy encolheram os ombros e dirigiram-se para a sala. Ryan e Melody foram atrás. 
- Tens a certeza que não queres ir dormir já?
- E deixar-te a fazer de vela? - murmurou. 
- É só por isso que ainda estás de pé? 
- Não. Também quero ver o filme. 
- O filme... Está bem. 
     Ryan sorriu. 
     Troy e Violet estavam a abrir o sofá-cama para os quatro caberem. Ryan provavelmente iria ficar com os pés de fora. Melody saiu dos braços de Ryan e foi arrumar as bolachas e o sumo do quarto, trazendo tudo para a cozinha. Quando acabou de colocar os pratos no balcão, Troy desligou a luz da sala e estendeu dois cobertores pelo sofá. As gémeas entretanto vestiram uma t-shirt e boxers dos rapazes.
- O filme vai começar, Mel - disse Violet. - Despacha-te. 
- Era mais fácil se o génio do Troy tivesse deixado a luz ligada. 
- Ignora isso, Melody. Vem deitar-te - pediu Ryan. 
      Ela largou os pratos e foi para o sofá. A irmã estava entre os rapazes, ela e Troy ligeiramente mais para a sua esquerda. 
- Queres ficar no meio ou no canto? - perguntou Ryan. 
- Meio.
     Ryan mexeu-se para o canto do sofá e Melody sentou-se, envolvendo-se no cobertor que partilhava com ele. 
- Vais gostar desta almofada, Mel - disse a irmã.
     Violet entregou-lhe uma almofada fofa e rectangular verde.
- Obrigada. 
- Tudo pronto? - perguntou Troy. 
- Sim. 
     Troy clicou em play e o filme começou. O ecrã da televisão ficou inicialmente negro, preenchendo a sala de um tom escuro onde a única luz provinha da luz lá de fora. Apareceram os créditos iniciais com uma música familiar e pompeante. A introdução do filme começou, obrigando-os a tomarem atenção ao ecrã.  
     Em quinze minutos de filme, Ryan começou a mostrar sinais de que ia adormecer: a cabeça dele estava inclinada para o lado, mal se mexia e os olhos só abriam com muito esforço.
- Ryan - murmurou Melody. 
- Hum?
- Abre os olhos. 
- Hum-hum. 
     Ele deitou-se. Os seus pés saíram para fora do sofá e ficaram tapados pelo cobertor. A cabeça dele estava perto da anca de Melody. 
- Ryan - tornou a chamar. 
     Não obteve resposta. Violet olhou para ela de relance e depois tornou a tomar atenção ao enredo.
     Melody deitou-se, impaciente. 
- Ryan? - ele não se moveu. Melody abriu-lhe um dos seus olhos. - Ryan, acorda. 
- Mel - murmurou -, pára - ele abriu um pouco os olhos para fitá-la.
     Melody deu-se conta da proximidade entre os dois: os seus narizes quase se tocavam, a mão dela tinha ficado parada no rosto dele e de repente ficou muito quente debaixo do cobertor. 
- Estás a perder o filme. 
- Deixas-me vê-lo amanhã? - perguntou, fechando os olhos de novo. 
- Que remédio. Parece que não dormes à uma semana. 
     Ryan sorriu. 
- Bem... não é mentira. 
- Então eu deixo-te - e virou o rosto, encarando o filme e Ryan alternadamente. 
     A cabeça dele mexeu-se na almofada tentando ficar confortável e depois Melody sentiu a testa e a bochecha dele no seu braço e o cabelo despenteado e macio no seu ombro. O rosto dele estava quase todo tapado pelo cobertor e a sua respiração aquecia o braço de Melody. Ela não se atreveu a mexer-se.
     Quando Melody começou a ceder ao sono, foi a vez de Violet. Troy, incrivelmente, tinha aguentado até uma hora e dez minutos de filme e dormia agora. Melody mexeu-se com cuidado e ficou de costas para a irmã, esticando o braço, delicadamente, em que Ryan dormia profundamente. Dobrou o braço livre e colocou a mão debaixo do queixo.
     Parecia surreal o que ela via diante de si. Ryan estava mesmo ali, mesmo perto dela. Isso agitou o seu coração. Ela julgou que não iria conseguir adormecer agora que começara a pensar no rapaz adormecido ao seu lado, na vontade que tinha de acariciar o seu cabelo e aproximar-se ainda mais dele, na mão que quase agarrava a dela, mas Melody lentamente fechou os olhos, relembrando o abraço de despedida. Adormeceu a sorrir.
   

◄◊►



     E acordou quando o relógio marcou as nove, envolvida pelos braços de Ryan, com o rosto dele nas suas costas. Ela não se lembrava como os dois tinham ficado tão próximos durante a noite. Quando fechou os olhos, adormeceu a valer.
     Lentamente virou-se: o rosto de Ryan ficou acima do seu peito, os seus braços ainda a envolviam. Melody baixou-se um pouco e foi quando ele despertou. Estavam face a face.
- Bom dia.
     Ryan mexeu os braços e as mãos pararam na cintura dela, uma muito perto da sua marca.
- Bom dia - disse ela.
- Dormiste bem?
     Melody assentiu.
- O meu hálito está péssimo, não está? Desculpa, eu vou agora...
- Não, não está - disse Melody a sorrir suavemente.
     O hálito dele não estava assim tão mau. Após tantas manhãs a seguir a pernoitadas nas casas uns dos outros, ela já que estava mais ou menos habituada.
- Ainda bem - sorriu.
     Ryan voltou-se para o lado e espreguiçou-se. Tornou a bocejar e passou a mão pelo cabelo desalinhado. Depois, num movimento confortável e seguro, voltou a colocar os braços à volta de Melody, pousando a cabeça junto ao peito dela. Ele ouvia perfeitamente o som do coração dela. - Não me apetece sair daqui - e fechou os olhos por instantes, guardando aquele momento mais um pouco na sua memória, quase a adormecer de novo.
     Ela sorriu e tentou acalmar o batimento furioso do seu coração. Melody tinha a certeza de que estava vermelha, porém, Ryan não conseguia vê-la o que descansou-a um pouco. O que estava a acontecer naquele momento era algo que ela nunca sonhara mas tal como ele, Melody não queria sair dali. As suas mãos encontraram o cabelo dele e massajaram-no por fim. Ela percebeu finalmente que Ryan era mais que seu amigo e que isso talvez não fosse uma coisa má. Ela queria estar ali, envolvida nos braços dele, e ele queria estar ali, a envolvê-la com os seus braços.
      O engraçado entre eles os dois era que inicialmente não se conseguiam ver à frente. Mas ao encontrarem uma causa em comum, alguém em comum - Troy -, foi como se tivessem quase apagado o terrível início. Tudo pelo que passaram uniu-os como um grupo que, para todos, era inseparável e Melody adorava isso. Adorava que todos eles, Violet, Ryan, Troy e ela fossem, primeiro que tudo, amigos. O que aconteceu com a Vi e o Troy, Melody também via isso a acontecer com ela e o Ryan. Ela não sabia se estava a imaginar, se era um desejo vindo das profundezas do seu ser, algo que não era real, mas Melody não queria largar essa possibilidade. Sabia demasiado bem estar nos braços dele para ser só algo que amigos fazem. Ainda assim, outros rótulos pareciam muito fortes e maduros para o que eles tinham e sentiam.
- Ryan?
- Hum?
- O que é que... O que estamos a... - ela murmurava.
- Não sei, Mel - respondeu ele, num murmúrio também. - Mas sabe bem, não sabe?
     Ryan afastou-se, subindo o corpo ligeiramente para fitá-la e os pés aqueceram assim que encontraram o sofá. De alguma forma, ele sentia-se incrivelmente seguro de si mesmo. Sempre pensou que quando se aproximasse de Melody iria começar a tremer por todos os lados e corar que nem um tomate. Mas o calor do corpo dela fazia mais do que simplesmente aquecê-lo: acalmava-o. E ter este sentimento recíproco também ajudava. Ele sempre achou que não era correspondido por causa do impacto que Axel teve nela, ou por Melody dar-se tão bem com Benjamin que irritava. Porém, tudo agora parecia claro como água.
     Melody e Ryan fitaram-se e ela assentiu com a cabeça, com os olhos abertos e os lábios fechados. Ryan mostrou o seu sorriso charmoso em que ela conseguiu encontrar alguma calma devido à familiaridade.
- Importas-te se eu adormecer? Ainda me sinto cansado.
- Já são nove horas, Ryan. Queres acordar a que horas? Às duas da tarde?
- Shh - fez ele. - Os pombinhos estão a dormir ainda - ele verificou se Violet e Troy ainda dormiam por cima do ombro dela. - E é sábado, Mel - ele voltou a abraçar-se a ela. - O que vai custar mais umas horas de descanso?
     Ela ficou surpreendida com a facilidade com que os dois se aproximavam e ficavam envolvidos por uma bolha intima e secreta. Melody gostava desse sentimento, do secretismo, de algo somente entre eles os dois. Os olhares da Vi e do Troy já se tornavam irritantes.
- Se estiverem todos a dormir não é lá muito interessante ser a única acordada - admitiu e voltou a colocar as mãos no cabelo castanho de Ryan num gesto natural mas tímido.
- Então dorme comigo - Ryan já tinha os olhos fechados. - As horas vão passar num instante.
- Não sei se vou conseguir. Mas dorme, Ryan, que precisas.
- Tens a certeza?
- A hum, absoluta - e Melody beijou-lhe o cimo da cabeça pela primeira vez. 

Underneath: Short Story #3

     A brisa de verão misturada com o aroma de tangerinas e mar invadiram as narinas de Troy. Estavam rodeados de arbustos altos e areia, escondidos do mundo. O oceano azul, calmo e nada frio, fazia de fundo destacando os olhos ambarinos de Violet que nunca estiveram tão radiantes quanto agora. Fios leves do seu cabelo voavam, acrescentando o perfume de flores do seus fios ao ar. O sorriso dela aumentou-lhe as bochechas queimadas pelo sol quando terminou de descascar a fruta. 
- Toma - disse ela, entregando-lhe metade da tangerina.
     Ele pegou na metade e colocou um gomo na boca. O sabor doce preencheu-lhe a boca com frescura e vontade por outro pedaço. Ele, ao contrário de Violet, preferia os citrinos doces. 
     Depois de comer a fruta, Violet deitou-se na toalha e fitou-o com os seus brilhantes olhos. Ele sorriu e colocou uma mão na sua cintura enquanto comia o último gomo de tangerina. Troy deitou a cabeça na toalha por cima do braço, beijou-lhe a ponta do nariz e com a mão fez festas no cimo da cabeça dela. 
     Era o primeiro verão deles: o verão antes de ele ir para a cidade, o verão que aumentou os sentimentos um pelo outro, o verão que lhes deu memórias para todo o sempre. Aquele momento era um dos vários exemplos. Não havia nada mais romântico ou mais reconfortante do que simplesmente estar ao lado daquele que se gosta, aproveitando a sua presença ao máximo enquanto o silêncio fazia o seu bailado entre eles, tornando tudo uma serena harmonia. 
     Não existia a necessidade de quebrar o silêncio quando muito mais era dito pelo gentil toque. Os dois percorriam a face um do outro, em busca de pormenores, detalhes pequenos que fazem toda a diferença. O olhar lentamente divergia para a curva do pescoço até à clavícula, passando para o ombro em direção aos braços, para retornar de novo ao rosto, onde o cabelo recebia alguma atenção até ser roubada pelos lábios ou a ponta do nariz. 
     Ambos notaram o óbvio escurecimento das suas tonalidades de pele que realçavam os olhos brilhantes de cada um. O cabelo aclarou e Troy deixou o seu queimar um bocadinho. No verão, ele permitia-se ser mais desleixado quanto a isso apesar de não gostar da textura com que o cabelo fica. Violet não se importava muito com o assunto apesar de Troy perguntar-lhe vezes sem conta se devia ou não cortar o cabelo. O cabelo de Violet recebeu o mesmo tratamento, aclarando notavelmente mas sem ficar queimado. Nunca confundiram tanto ela e Melody quanto agora apesar de ambas verem as características que as distinguem. A maior diferença entre elas era o tom do seu cabelo, onde o de Violet puxava mais para o ruivo e Melody para o avelã. No entanto, essa diferença foi diminuindo e desde há quase dois anos que ambas partilham a tonalidade dos seus fios. Principalmente agora, com o sol a aclarar-lhes os cabelos, Melody e Violet não podiam estar mais parecidas. De vez em quando, Urano nem se dava ao trabalho de corrigir-se quando chamava Violet de Melody e vice-versa. 
     Troy moveu a sua mão da cintura dela, acariciando ao de leve o seu rosto, o braço, a anca. Violet sorriu subtilmente com o arrepio do toque dele e fechou os olhos, sentindo uma calma a invadir-lhe o corpo. 
- Se vais dormir ao menos tem a decência de ficar ao pé de mim - murmurou ele. 
     O seu baixo tom de voz tinha um ar divertido. 
     Ainda de olhos fechados, Violet respondeu: 
- Eu estou ao pé de ti. 
- Não o suficiente. 
     Violet abriu os olhos e notou que ele tinha um ar desafiador no rosto. Ela sorriu, ponderando por momentos o que fazer e, por fim, apoiou-se nos joelhos e colocou-se em cima dele, com os braços abertos e as mãos no seu peito. Nas mãos apoiou o rosto. Violet tinha uma perna dele entre as suas. Ela levantou a sobrancelha, a sorrir, e disse: 
- Perto o suficiente? 
     Troy sorriu e moveu o corpo para o lado esquerdo, fazendo Violet ficar em baixo enquanto ele, apoiado no cotovelo, com uma mão na anca dela, muito perto da marca preta e cristalina de Vénus, lhe disse: 
- Perto o suficiente. 
     Ele roubou-lhe um beijo que iniciou outros e outros, entre sorrisos, com sabor a tangerina. 

Underneath: Short Story #2

     O início de abril foi marcado pelas suas chuvas terríveis. Após duas semanas de mau tempo, veio um sol forte, quente e duradouro.
     Noah já tinha os seus sete anos e começava a mostrar uma estrutura alta e magra. O corpo cheio de sardas, apesar de magro, era forte e não se rendia às feridas que arranjava por trepar na árvore grande do jardim ou por correr demasiado rápido e tropeçar. Ele sabia que a mãe podia usar os seus poderes nele pare lhe aliviar a dor e era sempre uma desculpa para ter a irmã, Violet, por perto.
     Sem precisar de lhe dizerem directamente, Noah sabia que não fazia parte da família como Ian ou as irmãs gémeas faziam. Mas a quem chamava de mãe, era a sua mãe, e quem chamava de pai, era o seu pai. Depois havia o bisavô Mercúrio que preferia ser só chamado pelo nome, o Urano que implorava por ser chamado de titio ou amado tio, e por fim, a Jade que parecia tanto uma amiga quanto algo mais. Noah também sabia que tinha irmãos, os seus irmãos, e mesmo não sendo nada parecidos, o pequeno sentia uma ligação forte entre eles: uma ligação mágica. Quando lhe perguntavam sobre essa ligação, ele simplesmente dizia que era forte, como um fio, feito de terra, água, ar e fogo.
     O que ele não sabia, porém, era como Troy encaixava entre ele e os irmãos porque ele era claramente mais velho e vinha de uma família normal, com pais normais. Noah sentia, apesar de não saber bem como, que Troy era igual a ele e aos seus irmãos, unidos pela mesma ligação de elementos.
     Toda este assunto mágico era algo que o fascinava mas era rapidamente ultrapassado por um outro pensamento mais cativante que surgisse na altura. Mas sempre que lhe falavam sobre isto e lhe faziam perguntas, Noah mostrava-se interessado, respondendo às mesmas perguntas, e também fazia as suas próprias no limite da sua compreensão. Para um menino de sete anos, falar de magia e ver magia eram algo que se contrastavam e ele preferia muito mais ver, sem nunca perder a crença nela. E apesar de os pais às vezes parecerem estar a controlá-lo, Noah nunca mostrou sinais estranhos. Assim pensava ele. 
     Mesmo os pais sendo extremamente abertos sobre este assunto, sempre lhe disseram, e ao Ian, que não era para contar nada aos seus amigos ou conversar sobre isto com os professores. Noah percebia que os pais eram uma espécie de super-heróis que passa na televisão e que têm de manter a sua identidade secreta para tudo correr bem. Um dia queria ser tão fantástico quanto eles.
     E num dia de abril, Noah tornou-se assim tão fantástico.


◄◊►


- Noah... - ouviu. - Acorda.
     A voz da mãe ecoou pelo quarto e o seu consciente acordou, ainda sem abrir os olhinhos negros. Conseguia perceber os raios da manhã por detrás das suas pálpebras. Rapidamente tornou a dormitar até sentir as mãos da mãe no seu corpo. 
- Vamos lá, dorminhoco. Eu sei que estás acordado. 
     Noah sorriu, ainda com os olhos bem fechados, pegou nos lençóis e puxou-os para cima. Luna sorriu, passou as suas mãos pela barriga dele e começou a fazer-lhe cócegas. O menino cedeu e abriu os olhos, a rir. Luna continuou com as cócegas até ele lhe dizer para parar umas quatro vezes. Por fim, ela sentou-se na cama. 
-  Como é que o meu menino se sente hoje? Melhor?
     Noah assentiu. As portadas das janelas estavam fechadas e a única luz vinha do corredor iluminado por um sol forte e quente que fazia da mãe uma silhueta negra com olhos de um azul claro brilhante.
     Luna referia-se a uma pequena constipação que ele tinha apanhado e que lhe tinha provocado uma tosse terrível e alguma febre. Aquele era o terceiro dia em casa e ao ver a ausência de tosse e nenhum lenço amarrotado na mesa de cabeceira, Luna estava pronta para enviá-lo para a escola o resto da semana. 
- Ainda bem - ela sorriu e inclinou-se para lhe beijar a testa. 
     Luna sentiu uma pequena onda de calor vindo dele e ficou subitamente alarmada. Os dois ficaram confusos. Noah abriu um pouco os olhos, aflito. 
- O que se passa, mãe? Tenho febre outra vez?
     Ela abanou a cabeça e abraçou-o, forçando um sorriso para o acalmar. 
- Não. Não é nada... - afastou-se e deu-lhe um beijo na bochecha salpicada de sardas. - Anda, vamos tomar o pequeno-almoço. 
     Luna saiu da cama e Noah fez o mesmo, colocando as pantufas em seguida. Ela estendeu-lhe a mão e ele pegou-a, ainda sonolento e tranquilo. Os dois desceram as escadas e foram para a cozinha. 
- Olha quem vem lá! - ouviu Urano dizer. - Sentes-te melhor, Noah? 
     Noah, ao ver Urano na cozinha, largou muito rapidamente a mão da mãe. 
- Sim.
     Sol e Luna trocaram um olhar e contiveram-se para não se rirem. O rosto de Noah estava ligeiramente corado. 
- Então pequenote, o que vai ser? - perguntou o pai. Noah sentou-se num dos bancos altos junto ao balcão. - Temos panquecas, cereais e talvez ovos. 
- Panquecas! - disse sem hesitar. 
     Sol sorriu, contente pelos seus filhos cederem sempre às suas panquecas. 
- Tens a certeza que ele se pode sentar aqui, Moony? 
- Claro que posso - replicou Noah.
- Se ele cair e não o apanhares, ficas igual ao Juju - respondeu Luna.
     Urano suspirou, virou-se no seu banco e pegou no copo com sumo de maça e algo mais.
- Nada mais saudável do que ameaças às nove e meia da manhã! - e levantou o copo numa espécie de brinde.
- A Cora? - perguntou Noah a olhar em volta. 
- Deve estar lá fora. Abri a porta à pouco - respondeu o pai. - Depois de comeres vamos procurá-la se ela não aparecer, está bem? 
     Noah assentiu com a cabeça, a fitar o prato de panquecas que o pai estava a preparar. 
     Cora era a gatinha de pêlo curto que os Brown tinham arranjado à seis meses atrás para alegrarem a casa juntamente com Lymph, outra gatinha, e Sagitário, um gato já de três anos. Muito antes de Ian nascer, já três gatos tinham morrido: Leslie, Cosmo e Persifal. Um pouco depois do nascimento do bebé, foi a vez de Nyx, Apollo e Malmequer. Não aconteceu tudo ao mesmo tempo, mas foram acontecimentos sequenciais que deixaram todos imensamente tristes. E durante alguns anos a casa ficou vazia de gatos mas cheia de crianças. Agora, Luna e Sol sentiam a falta de felinos pelos corredores, de limpar infinitas caixas de areia e comprar quatro pacotes de ração. Então começaram a criar outra pequena família. Cora e Lymph foram nomeadas pelas gémeas e Sagitário pelo Noah por ser a primeira constelação que ele aprendeu a ver no céu. 
- Aqui tens - o pai entregou-lhe o prato -, panquecas à le Soleil
     Noah atacou o prato sem hesitações. Se lhe dissessem que ele só comeria aquilo para a o resto da vida Noah ficaria inteiramente satisfeito. As panquecas do pai eram tão boas, tão fofas e tão saborosas. Colocavam completamente de parte as da mãe apesar de ela fazer crepes melhor que ele. 
     Luna colocou café na sua caneca e entrou na conversa entre Urano e Sol. Os dois falavam de uma nova loja que faz fatos "belíssimos" que são "verdadeiras obras de arte", como dizia Urano. 
- Tens aí um cartão? - Sol levantou os cotovelos do balcão.
- Claro - e tirou um cartão pequeno, rectangular e branco, escrito a preto, do seu bolso das calças. - O cartão não mostra logo o ar sofisticado? 
- De facto - Sol concordou. - Temos de lá ir. Faz-me falta um fato preto. 
- Sou bem-vinda nessa visita à loja? 
- Moony... Isto são coisas que têm de ser feitas por nós, homens, que conhecemos bem o que faz um bom fato. 
- Detesto dizer isto, amor... Mas o Urano tem razão. 
     Luna abriu a boca incrédula, depois levantou a sobrancelha e sorriu, mostrando desdém àquela ideia. 
- Tudo bem. Vou ignorar o sexismo presente. Mas, em retorno, exijo um desfile - disse e depois bebeu um gole do seu café. 
     Os olhos claros de Urano mostraram um brilho sublime, avivados pelo desafio.
- Se é que o tu desejas, representação da Lua, assim o terás! - replicou logo Urano, com uma viva excitação no corpo. - Chamamos o Juju, convencemos o Mercúrio a meio, o que dizes Sol? - ele nem deu hipótese de resposta à Estrela. - Fantástico - disse ele com o seu sotaque britânico a brotar no "fantástico". - Estamos combinados, Moony? - e esticou-lhe a mão. - Já estou a imaginar tudo... Vai ser o evento.
     Luna apertou a mão magra e longa de Urano, selando o acordo.
- Esperem lá! Eu não concordei com isto.
- Não sejas assim, Majestade! O acordo está feito - Urano tinha as mãos em fúria, fazendo gestos exuberantes. O pobre Noah fitava o Planeta com confusão nos olhos. - Vais desapontar a tua linda, bela, charmosa, fantástica, mulher?
- Cuidado com essa língua - Sol apontou-lhe o dedo e depois fitou a sua Luna.
     A sua esposa era tocada graciosamente pelos anos, com rugas somente nos olhos brilhantes azuis e nas bochechas de tanto sorrir. O cabelo, sempre negro, brilhava suavemente na luz da manhã, ondulando como a noite no céu estrelado, mostrando sinais de brancura na raiz que ela logo iria voltar a pintar. As suas mãos não tinham perdido a doçura e o toque ficava mais gentil com o passar do tempo. O seu corpo, mais curvo, continuava a ser o refúgio de Sol onde todas as noites pousava.
     Ele também não se tinha deixado ficar pela aparência com que Luna o conheceu. À medida que os anos iam passando, à medida que Luna ganhava os seus traços do tempo, ele também ganhou. Tinha nos olhos algumas rugas, se deixasse crescer a barba já veria sinais de brancura (por isso é que não a deixava crescer mesmo que Luna pedisse) e o corpo tinha perdido a sua rigidez, apesar de continuar a praticar exercício físico sempre que pudesse. Os miúdos deixavam-no ocupado nesse aspecto. Os seus filhos eram, sem sombra de dúvidas, parte da razão por envelhecer perante os anos: Sol queria dar-lhes algo normal no meio da fantasia que se misturava naquela família. Queria também que Luna não se sentisse sozinha nesta lenta transição. Se alguma vez Sol pensou em envelhecer, foi então ao lado da sua Tal, rodeado pelas crianças que os dois criaram e ainda criam com o maior amor. E gatos. Sempre rodeado de gatos.
     Sol suspirou, sem conseguir abanar a fala de Urano.
- Que remédio tenho eu?
- Nenhum! - respondeu Urano, levantando o copo para um brinde.
     Luna levantou a sua caneca de café e os dois brindaram ao novo evento. O que ela gostava de saber era como iriam convencer Mercúrio a vestir-se para algo sem ser ir trabalhar com os Evans, especialmente sendo um fato com várias peças e, ainda por cima, para um desfile! Isso por si só era um evento especial, que merecia toda a atenção.
- Bem, Moony... Se eu precisar de ir a extremos irei.
- Mãe - chamou Noah. - Já acabei.
- Queres ir procurar a Cora? - perguntou o pai.
     Ele assentiu enquanto acabava de beber o resto do leite.
- Primeiro vais à casa de banho lavar os dentes e o rosto para tomar o medicamento - disse a mãe.
- Sim - respondeu Noah que assim que pousou o copo no balcão, saiu do banco, num salto, rumo à casa de banho.
- As crianças acordam com uma energia... Onde está o outro? Ah, pois é... escola - Urano revirou os olhos.
- Não vamos começar, Urano - disse Sol, arrumando os pratos e os copos vazios no lavatório.
- Pois, enfim, está bem.
     Ele olhou para o relógio: marcava as nove e cinquenta.
- Bem, meninos, tenho de ir exercer o humilde dever de um homem. Até já - com um gesto de dois dedos disse adeus, desaparecendo na sua luz roxa.
     Luna virou-se, observando o seu marido a exercer o seu humilde dever: cuidar da casa.
- Vais ficar a ver enquanto podias ajudar? - perguntou Sol, que sorria, a lavar os pratos, sem a fitar.
- Vou sim - respondeu ela.
     Sol iria dizer-lhe algo provocante se não fosse os chamamentos de Noah pela casa.
- Mãe! Mããeee!
- O que foi, Noah? - ela virou-se para vê-lo.
     Noah estava à porta da cozinha/sala de jantar com uma bola de voleibol na mão, completamente vestido e calçado. Luna não queria acreditar.
- Onde pensas que vais? Estás doente, menino - disse ela.
- O Ian só vem à tarde e eu sei que o Carlos está em casa por isso vou brincar com ele.
- E já não se pede permissão? - perguntou o pai enquanto secava as mãos num pano.
- Posso ir? Por favor?
     Luna fitou o marido. Este tinha um olhar impassível, indecifrável, e ela sabia que Sol deixava-o ir. Deixou-o, portanto, falar.
- Podes ir. Mas quero-te em casa antes do almoço, combinados? - e apontou-lhe o dedo, com um olhar já não tão sério.
     Noah assentiu, com um meio sorriso no rosto, e rapidamente saiu de casa, indo de encontro à casa do amigo ao lado da sua.
     Luna encarou o marido à espera da explicação para aquele olhar tão autoritário.
- O que foi? - disse ele, surpreendido. - É preciso mostrar aos miúdos um olhar forte.
- Sim, sim... - Luna revirou os olhos, a sorrir.
     Sol retornou ao lava-loiça (só usava a máquina de lavar se houvessem muitos pratos/copos usados). Luna pousou a caneca ao lado dele e beijou-lhe a bochecha.
- Eu depois seco e arrumo tudo. Vou só tomar um banho e desço rapidinho.
- Está bem.
     Ao entrar no duche, Luna lembrou-se que Noah não tomou o xarope e praguejou baixinho.


◄◊►




     Assim que viu as horas no seu relógio digital, Noah disse adeus ao amigo moreno, de cabelo ondulado preto de olhos igualmente negros, e correu para casa, esfomeado. Assim que entrou pelo portão branco, viu Cora a vaguear, miando baixinho pela relva baixa. 
- Cora - disse ele, pegando na pequena,  levando-a cuidadosamente para dentro e deixando a bola para trás. - Tens fome, tens? Eu estou morto de fome... 
     Ele entrou pela porta da frente, com água na boca devido ao cheiro que bailava no ar e após a luta da Cora, Noah largou-a. A gata foi direita à comida fazendo o único caminho que sabia de cor. Noah não viu os pais na cozinha e chamou por eles. Reparou no rosto do pai na janelinha da porta das traseiras e antes que lhe dissessem, foi para o alpendre grande, decorado com o universo e cascatas de flores. Na mesa, estava o seu pequeno irmão, mais novo por pouco mais de um ano. Ele sorriu ao vê-lo e Ian fez o mesmo. 
- Olá, Ian! 
- Está todo suado, Noah! - exclamou a mãe. - Vai lavar as mãos, anda lá - ela colocou as mãos nas costas dele, já a indicar-lhe o caminho para a cozinha. 
- Já não estás doente? Nem sabes o que aconteceu hoje! - disse o irmão. 
      Noah assentiu, cedendo à força da mãe. Lavou as mãos cuidadosamente e depois foi sentar-se ao pé do irmão. A mãe montou a mesa, o pai serviu o almoço. Os irmãos ficaram embebidos na conversa que ia desde a escola até aos desenhos animados. Luna e Sol também se perderam um pouco na conversa deles, deixando os miúdos no seu mundo. No entanto, os dois fizeram questão de mostrar interesse na conversa deles. Nenhum dos dois ligou-lhes por muito tempo, apesar de mostrarem entusiasmo quando os pais lhes fizeram questões. 
     O almoço passou rápido. Os três gatos apareceram entretanto e fizeram uma sesta longa, tirando Cora que, em vão, tentava animar os gatos sonolentos. Mercúrio e Urano passaram pelos Brown à procura de alguma sobra de sobremesa. Luna pouco depois foi à redação da revista entregar textos e entrevistas, bem como ver se estava tudo em ordem. Sol levou os miúdos à vila, deixando-os um pouco soltos, nas ruas largas, enquanto comprava produtos orgânicos e saudáveis para o resto da semana. Encontraram a mãe do Carlos, que, infelizmente para os miúdos, não estava com ela. Ela disse-lhes que o Carlos tinha equitação, onde a irmã deles, Melody, e o namorado, Ryan, iam. Noah e Ian sabiam bem onde ficava, já tinham ido visitar algumas vezes. Os dois gostavam muito de ver a irmã a montar, mas nenhum tinha coragem de se por em cima de um cavalo. Noah achava-os lindos - especialmente os frísio, que têm um pêlo negro e lustroso - mas não conseguia ver-se em cima das costas de um sem imaginar uma dolorosa queda. 
     Depois das compras, eles pararam no bar dos pais do Troy onde compraram um gelado e apreciaram a vista da praia. Sol deixou as crianças andarem na praia um pouco antes de voltarem para casa. Quando voltaram, Luna estava em casa, na sala, com a televisão a fazer de companhia enquanto trabalhava no computador. Os miúdos foram contar à mãe o que andaram a fazer com o pai e depois seguiram para o jardim, pegando de volta no plano para o seu forte. 
- Podemos fazê-lo ali no canto e colocar uma bandeira vermelha com uma cruz! - disse Ian, já animado, pensando em histórias de reis e piratas.
- Mas temos de manter segredo dos nossos planos... É a nossa base secreta - sussurrou Noah. 
     Ian concordou, assentindo levemente, com o olhar cerrado, entrando no clima de mistério que Noah propunha. 
- Tem de ser um forte com torres para vigiarmos os que tentarem atacar-nos. 
- Sim, sim... 
- Com uma bandeira com um leão, ou... ou... um dragão! 
- Sim! 
- Shhh - fez Noah, colocando o dedo nos lábios. Ele olhou para os lados, como se procurasse algum espião. - Eles vão ouvir-nos. 
- Quem? 
- Os... piratas! - gritou ele, assustando o irmão e colocando-o de novo animado. 
     Os dois começaram a correr pelo jardim, Noah atrás de Ian, numa perseguição. 
- Não me apanhas! - gritou o pequeno Brown.
     Noah sorriu, com os braços esticados tentando agarrar a t-shirt do irmão. Os dedos dele estavam quase lá quando Ian conseguiu esquivar-se para o lado fazendo Noah cair ao virar-se. Ao esticar a mão salpicada de sardas, ao tentar puxar a camisola do Ian, Noah soltou uma bola de fogo que voou direitinha para a parede, num local ligeiramente mais acima do telhado do alpendre. A bola extinguiu-se assim que tocou na parede, formando um círculo chamuscado na parede clara da casa. Assim que se levantou e viu o resultado daquilo, Noah só esperava que a mãe não lhe tirasse as sobremesas. 
- Isso foi incrível! - gritou o irmão que correu para o pé dele. - Faz outra vez! 
     Os pais apareceram quase no instante seguinte. Viram a expressão petrificada de Noah e souberam que algo tinha acontecido. Os dois aproximaram-se dos miúdos. Ian colocou-se ligeiramente atrás do irmão enquanto que este já tinha preparado os pedidos de desculpa na mente apesar de não ter noção alguma do que acabara de acontecer. Ele não compreendia o sucedido. 
- Foi sem querer, eu não sei o que aconteceu. Juro! 
     Luna e Sol olharam para a parede da casa que tinha sofrido pelo poder de Noah. Entreolharam-se, calmos demais para o gosto de Noah, apesar da expressão chocada da mãe. 
- Vou ligar ao Troy - disse o pai que foi para dentro de casa. 
- Porque vão ligar ao Troy? - perguntou Ian. 
     Luna tirou os olhos da madeira queimada e colocou-os nos seus filhos. Baixou-se para ficar ao nível deles e Ian voltou a colocar-se atrás do irmão, sem saber o que esperar. Noah engoliu em seco.
- Está tudo bem, meninos - disse ela. - Não vou ralhar com nenhum dos dois. 
     Noah e Ian respiraram fundo. Os dois iam fazer perguntas à mãe quando ouviram passadas agitadas em direção ao jardim. Troy e a irmã apareceram no momento seguinte. Os dois pareciam ter-se vestido à pressa por a meio do caminho estarem a ajeitar a t-shirt e o vestido. Ambos tinham os rostos ligeiramente corados.
- O que aconteceu? - perguntou Troy, alarmado.
- Estão bem meninos? - perguntou Violet a fitar os irmãos. 
     Eles assentiram. Noah ficou mais petrificado. O que quer que ele tenha feito, foi mau o suficiente para os pais terem chamado a irmã e o Troy!
     Troy atravessou o alpendre, desceu os degraus e foi para o local onde os miúdos e Luna estavam. Fitou a parede queimada com um olhar chocado e um leve sorriso no rosto, como se olhasse para uma maravilha. Sentia que tinha ganho uma aposta com ele próprio. Se alguém tinha a certeza de que as crianças iriam ter poderes era ele. 
- Eu sabia, eu sabia! - murmurou, colocando a mão no ombro de Noah. 
- O Noah tem poderes? - perguntou Ian, que começou a circular o grupo, muito animado.
- O quê? - replicou Noah, confuso. 
     Sol aproximou-se.
- Ian, acalma-te - pediu o pai, com uma voz calma e meio baixa. 
     O menino foi ter com ele, ficando quase colado à sua perna, em silêncio. Troy e Violet trocaram um olhar, ela pedindo que ele permanece-se sério perante o assunto. Troy rapidamente eliminou o sorriso. 
- Que tal irmos para dentro? - sugeriu Troy. 
- Sim, sim... - respondeu Luna. 
- Vamos, Noah - disse-lhe Troy, massajando-lhe o ombro. 
     Foram todos para a sala, mas Violet levou Ian para cima em seguida, apesar dos seus protestos.
     Noah permaneceu calado o tempo quase todo, balbuciando algumas palavras, sem nunca conseguir terminar a frase, num murmúrio. Ele estava perplexo e ainda não sabia se o que aconteceu foi bom ou mau. Luna começou a falar, mas depois ao ver que não estava a obter os resultados pretendidos, pediu a Troy, com o olhar, que este fosse falar com o seu filho. Troy sentou-se na mesa de centro de vidro e colocou os cotovelos nos joelhos. Noah fitava os pés, a tentar processar tudo o que tinha acontecido.
- Noah, olha para mim - pediu. 
     O pequeno levantou os olhos negros, fitando o rosto moreno de Troy. 
- O que aconteceu à bocado foi algo que iria eventualmente acontecer. Eu sei que sabes mais ou menos o que os teus pais são, que eles têm poderes como os super-heróis e que as tuas irmãs também têm - Noah assentiu. - Eu também tenho. - Os olhos de Noah abriram-se. - Eu sei - Troy sorriu -, é bem porreiro. Sabes a ligação de elementos que tu sentes com os teus irmãos? 
- Sim. 
- Essa ligação é mais real do que pensas. Eu, tu, o Qaya e a Sil fizemos parte de uma galáxia, tal como o teu pai e a tua mãe, e as gémeas, fazem parte de uma. Eu era a estrela, tu, a Silver e o Qaya Planetas. Sabes, a marca estranha que tens aqui - Troy tocou na zona por baixo da axila -, significa isso mesmo. Representa quem tu foste, quem ainda és. Nós os quatro representávamos e ainda representamos os quatro elementos. Eu sou o Ar - Troy apontou para si mesmo e demonstrou rapidamente um furacão ligeiramente maior que a sua palma. Os olhos negros de Noah brilharam. 
- Isso é fantástico - suspirou ele, encantado. 
- Pois é. Tu és o Fogo. Foi por isso que lançaste uma bola de fogo contra a casa. 
- Não foi de propósito! Juro! - disse ele. - Não quis queimar a parede. Foi sem querer!
- Não faz mal, querido - disse Luna. - Não faz mal - ela chegou-se à frente e sentou-se ao lado dele. 
     Luna abraçou-o. 
- Noah, os teus poderes são algo fantástico - disse-lhe o pai, que se agachou à frente dele depois de Troy dar espaço. - Este foi o teu primeiro ataque. Vão surgir mais, mas há medida que vais treinando, vais conseguir controlar os teus poderes ao ponto de dominá-los. O que aconteceu à pouco não foi culpa de ninguém. Ninguém te vai tirar as sobremesas - o pai sorriu. 
     Noah tirou o rosto dos braços da mãe, mais descansado e com um sorriso no rosto. 
- Isto quer dizer que sou como vocês? 
     O pai assentiu. 
- Então sou um super-herói? Vou combater o crime, acabar com os maus, como vocês?
- Calma aí, tigre - disse-lhe Troy. - Daqui a uns dez anos, talvez. 
- Isso é muito tempo! Eu quero ir agora - e levantou-se, ficando de pé em cima do sofá, numa pose valente. 
     Os pais riram-se, contentes por não haver nenhuma crise. 
- O Qaya e a Sil também têm poderes? 
     Troy assentiu. 
- O Qaya é a Terra, a Sil a Água. 
- Isso explica coisas - disse ele. 
     Todos se riram e durante o resto do dia, Noah não se calou em como ia mudar o mundo com o seu sidekick Ian. 


◄◊►



     Luna e Sol fizeram questão de frisar a importância de Noah não contar nada ao Qaya e à Silver sobre tudo isto. O pequeno resmungou, perguntando porquê várias vezes sem conseguir perceber os motivos dos pais uma única vez. Ele acabou por assentir ao pedido dos pais e não contou nada aos seus irmãos. 
     Mas Ian não estava vinculado a esse acordo. E esse foi o tornozelo de Aquiles dos pais. Se pensavam que Noah era o perigo, então não tinham realmente estado atentos ao filho mais novo. 
     Numa tarde de sábado, algum tempo depois da descoberta dos poderes, Luna e Sol viram no alpendre alguma água a escorrer. Ao abrirem a porta, os seus tornozelos estavam completamente encharcados e tiveram de afastar plantas do caminho, que não deviam estar ali, de folhas largas e grossas, para passar. Os dois viram a sua casa invadida por árvores e pequenos arbustos, uma nascente no lugar das escadas. Havia trepadeiras em todo o lado, heras pelas paredes e viram de relance uma borboleta voar. Algures cheirava a queimado e a fogueira e a única coisa compreensível naquela situação foi o pequeno Ian, com um olhar culpado mas com um sorriso inquebrável, escondido atrás de uma árvore. Ele fugiu pelo aglomerado de arbustos existentes e Luna nunca gritou o nome do menino tão alto na sua vida.

bright petals.