Underneath: Short Story #3

     A brisa de verão misturada com o aroma de tangerinas e mar invadiram as narinas de Troy. Estavam rodeados de arbustos altos e areia, escondidos do mundo. O oceano azul, calmo e nada frio, fazia de fundo destacando os olhos ambarinos de Violet que nunca estiveram tão radiantes quanto agora. Fios leves do seu cabelo voavam, acrescentando o perfume de flores do seus fios ao ar. O sorriso dela aumentou-lhe as bochechas queimadas pelo sol quando terminou de descascar a fruta. 
- Toma - disse ela, entregando-lhe metade da tangerina.
     Ele pegou na metade e colocou um gomo na boca. O sabor doce preencheu-lhe a boca com frescura e vontade por outro pedaço. Ele, ao contrário de Violet, preferia os citrinos doces. 
     Depois de comer a fruta, Violet deitou-se na toalha e fitou-o com os seus brilhantes olhos. Ele sorriu e colocou uma mão na sua cintura enquanto comia o último gomo de tangerina. Troy deitou a cabeça na toalha por cima do braço, beijou-lhe a ponta do nariz e com a mão fez festas no cimo da cabeça dela. 
     Era o primeiro verão deles: o verão antes de ele ir para a cidade, o verão que aumentou os sentimentos um pelo outro, o verão que lhes deu memórias para todo o sempre. Aquele momento era um dos vários exemplos. Não havia nada mais romântico ou mais reconfortante do que simplesmente estar ao lado daquele que se gosta, aproveitando a sua presença ao máximo enquanto o silêncio fazia o seu bailado entre eles, tornando tudo uma serena harmonia. 
     Não existia a necessidade de quebrar o silêncio quando muito mais era dito pelo gentil toque. Os dois percorriam a face um do outro, em busca de pormenores, detalhes pequenos que fazem toda a diferença. O olhar lentamente divergia para a curva do pescoço até à clavícula, passando para o ombro em direção aos braços, para retornar de novo ao rosto, onde o cabelo recebia alguma atenção até ser roubada pelos lábios ou a ponta do nariz. 
     Ambos notaram o óbvio escurecimento das suas tonalidades de pele que realçavam os olhos brilhantes de cada um. O cabelo aclarou e Troy deixou o seu queimar um bocadinho. No verão, ele permitia-se ser mais desleixado quanto a isso apesar de não gostar da textura com que o cabelo fica. Violet não se importava muito com o assunto apesar de Troy perguntar-lhe vezes sem conta se devia ou não cortar o cabelo. O cabelo de Violet recebeu o mesmo tratamento, aclarando notavelmente mas sem ficar queimado. Nunca confundiram tanto ela e Melody quanto agora apesar de ambas verem as características que as distinguem. A maior diferença entre elas era o tom do seu cabelo, onde o de Violet puxava mais para o ruivo e Melody para o avelã. No entanto, essa diferença foi diminuindo e desde há quase dois anos que ambas partilham a tonalidade dos seus fios. Principalmente agora, com o sol a aclarar-lhes os cabelos, Melody e Violet não podiam estar mais parecidas. De vez em quando, Urano nem se dava ao trabalho de corrigir-se quando chamava Violet de Melody e vice-versa. 
     Troy moveu a sua mão da cintura dela, acariciando ao de leve o seu rosto, o braço, a anca. Violet sorriu subtilmente com o arrepio do toque dele e fechou os olhos, sentindo uma calma a invadir-lhe o corpo. 
- Se vais dormir ao menos tem a decência de ficar ao pé de mim - murmurou ele. 
     O seu baixo tom de voz tinha um ar divertido. 
     Ainda de olhos fechados, Violet respondeu: 
- Eu estou ao pé de ti. 
- Não o suficiente. 
     Violet abriu os olhos e notou que ele tinha um ar desafiador no rosto. Ela sorriu, ponderando por momentos o que fazer e, por fim, apoiou-se nos joelhos e colocou-se em cima dele, com os braços abertos e as mãos no seu peito. Nas mãos apoiou o rosto. Violet tinha uma perna dele entre as suas. Ela levantou a sobrancelha, a sorrir, e disse: 
- Perto o suficiente? 
     Troy sorriu e moveu o corpo para o lado esquerdo, fazendo Violet ficar em baixo enquanto ele, apoiado no cotovelo, com uma mão na anca dela, muito perto da marca preta e cristalina de Vénus, lhe disse: 
- Perto o suficiente. 
     Ele roubou-lhe um beijo que iniciou outros e outros, entre sorrisos, com sabor a tangerina. 

Comentários