Sondagem

Gostava mesmo que respondessem à sondagem que está no fundo do blog, a vossa opinião conta muito para mim e é sempre uma maneira de agradar os visitantes do blog.
 Obrigada ♥

Delírios de Amor - XXVII

  Durante a viagem, fui-me apercebendo que não era preciso ir para tão longe. Aliás, Algarve seria muito melhor, mas pronto. Já ia a caminho e não ia mudar de decisão a partir do nada.
Demorei 7 horas para lá chegar, com paragens pelo meio do caminho.
Quando lá cheguei, já era meio de noite e fui descansar. Estava esgotada. Só não desliguei o móvel por causa dos meus pais poderem telefonar, caso contrário, já estaria desligado desde que saí de casa. Não queria interrupções enquanto estivesse aqui, não queria que ninguém me chateasse. Vim aqui para esclarecer tudo na minha cabeça, e fugir de tudo parecia-me uma óptima opção agora, e só queria paz por uns momentos.
  Adormeci a pensar que ou ficava com um deles os dois, ou não ficava.
Comecei a ter um sonho estranho com dois rapazes, que decerto que seria o Fábio e o Pedro, mas não dava para a ver cara de nenhum deles. Reparei que eram ambos morenos, mesmo morenos. Tinham o cabelo escuro, mas um tinha mais claro que o outro. Eram ambos muito bonitos, e charmosos, é pena não ter reconhecido as suas caras. Mas é só um sonho, nada de grande significado neste momento.
  Levantei-me, e eram quase hora de almoço. Fui visitar a cidade onde estava e encontrei um restaurante lindo, com uma vista magnifica e os cozinhados que ali preparavam cheiravam divinamente bem.
Pedi um prato típico da região, que estava delicioso, mas não foi isso que me intrigou mas sim o empregado que mo serviu. Sim, tinha a pequena sensação de o conhecer de algum lado, mas não fazia a mínima ideia de onde. E sinceramente, tinha coisas mais importantes com que me preocupar.
Depois de almoçar, fui dar uma volta por aí, ver as vistas. Lembrei-me de antes de sair de casa vestir o bikini  e dar uma volta pela praia. Estava cheia e por isso decidi ir a outra e com sorte estava com pouca gente. Fui dar um mergulho, estava um calor abrasador. Deitei-me na toalha para apanhar banhos de sol e apanhar mais cor, e enquanto isso fui pensando seriamente na minha vida. Pensando o quanto amo aqueles dois, o quanto eles me fazem felizes, mas não sou capaz de escolher nenhum deles. Portanto, acho que a melhor decisão mesmo é ficar solteira, ter os dois como amigo, e mais nada. Talvez essa seja a melhor opção, a melhor escolha a tomar.
No meio de tantos pensamentos e conclusões fui interrompida por um objecto que só me apercebi o que era quando abri os olhos. Levei com raios de sol encandeados nos meus olhos, o que fez com que ficasse um pouco tonta, mas depressa recuperei os sentidos e vi que um rapaz se aproximava para buscar o tal objecto, que era uma bola de praia. Decidi sentar-me.

Rapaz: Ah, desculpa se te magoei com a bola.
Iara: Na boa, não me aleijaste.
Rapaz: És portuguesa ? Finalmente alguém de lá.
Iara: Cheguei ontem, pois ahah.
Rapaz: Sozinha ?
Iara: Sim, porquê ?
Rapaz: Nada, só estranhei uma rapariga como tu estar sozinha.
Iara: Pois, quem me dera que fosse assim tão fácil.
Rapaz: Hãn ?
Iara: Nada , esquece.
 Voltei a deitar-me.
Rapaz: Então vemos-nos por aí ... ?
Iara: Iara, e tu ?
Rapaz: Lourenço.
Iara: Vemos-nos por aí então.
  Reparei que sorrira, mas não lhe liguei muito. Farta de rapazes estou eu. Mas confesso que ele pareceu-me muito simpático.
 Voltei a trabalhar para o bronze, e logo depois decidi ir à água refrescar-me. Saí da praia às oito da noite, quando o sol se estava a por e não havia mais ninguém lá. Não me apetecia ficar em casa, apesar de estar um pouco cansada, fui a uma feira que lá havia e acabei por jantar ali mesmo. Serviam comida mesmo deliciosa.
Fui para o cais que havia ali perto da feira, repensar em tudo de novo e certificar-me que tomei a decisão mais acertada. Do nada, oiço uma voz a ecoar na minha cabeça.

Lourenço: É lindo não é ?
 Fiquei surpreendida por ele ainda se lembrar de mim, e respondi-lhe sem olhar para ele.
Iara: Muito mesmo, ajuda a pensar nas coisas.
Lourença: Problemas ? Quer dizer, sei que não te conheço e deve ser uma tamanha indelicadeza já querer saber deles visto que só te conheço por te ter atirado com uma bola. - E soltou uma risada.
 Sorri-lhe.
Iara: Não faz mal, não dizem que desabafar com estranhos faz bem ? Quer dizer, se quiseres ouvir.
Lourenço: Força nisso.
Iara: Bem, é sobre rapazes. - Ele fez uma careta do tipo "não a sério ?" ahah. - Eu namorava com o Pedro, um rapaz perfeito a meus olhos, e estava tudo a correr bem até que um dia discutimos imenso e quase que ele me batia mas não foi capaz, e decidimos que foi melhor acabar. Passado um mês, voltámos porque não lhe resisti e ele acabou provando que tinha mudado e realmente mudou. Mas à um ou dois meses atrás conheci um rapaz fantástico, um amor de pessoa, ele chamava-se Fábio e acabou virando um irmão para mim, ou pelo menos pensava assim. Depois o Pedro ficou caído de ciúmes, e disse para escolher entre ele e o Fábio e não consegui escolher na altura e aproximei-me do Fábio porque ele era um grande porto de abrigo para mim - Começava a achar que era informação a mais para um desconhecido, mas enfim. - e começámos a sentir mais que amizade um pelo outro, mas sentia-me sempre ligada ao Pedro de alguma maneira. E pensei, pensei mesmo bem e escolhi o Pedro no final. Mas quando estou com ele, penso no Fábio e o quanto ele é importante e quanto o amo. E se estivesse escolhido o Fábio, sentiria a mesma coisa. E vim para aqui, bem, pensar e pensar e pensar, e também para esquecer tudo isto por uns dias.
Lourenço: Para já, nem imagino a tua cabeça e o teu coração a lidar com isto tudo, deves ter uma coragem de enfrentar isto tudo. Segundo, fizeste bem em vir para cá, é um sítio óptimo para estar e pensar um pouco. Terceiro, escolhe nenhum deles e fica comigo, brincadeiraaaaaaaaaaa ! Ahah , não leves a mal, sou sempre brincalhão - Ri-me imenso com isto. - mas agora a sério, já tens alguma decisão ?
Iara: Por agora, a minha decisão é ficar solteira e ver o que o futuro me reserva sem nenhum deles.
Lourenço: Acho que fazes bem, a vida são dois dias e temos que aproveitá-los felizes.
Iara: É, tens razão ... ?
Lourenço: Lourenço.
Iara: Desculpa, desculpa. Tinha o teu nome na ponta da língua, ahah .
Lourenço: Na boa. - Sorriu-me.
Iara: Moras onde ?
Lourenço: Aqui perto, mas não é...
 Interrompi-o .
Iara: Não, em Portugal... ?
Lourenço: Ah, moro em Lisboa e tu ?
Iara: Cascais.
Lourenço: É perto !
Iara: Sim pois é.
Lourenço: Vais ficar cá quanto tempo ?
Iara: Até ao final da semana, se possível. Tenho que poupar para gasolina na ida, ahah.
Lourenço: Bonita, solteira e poupadinha, sim senhor, ahah.
 Sorri-lhe, mas mesmo assim, não lhe dei muita corda.
Conhecemos-nos melhor e ele levou-me até ao Hotel onde estava. Fiquei com o numero dele, e nem liguei muito a isso. Fui dormir, estava realmente cansada.

continua. 

Delírios de Amor - XXVI

  Durante o resto do dia, aproveitámos todos os segundos para namorar. Fomos até à praia e quando lá chegámos, o mar estava óptimo !
Pedro: Queres ir para onde ?
Iara: Tanto me faz.
 E escolhemos um lugar perto do mar, mas onde mesmo assim podíamos apanhar grandes raios de sol.
Fui tirando a roupa e puxei-o pela mão, para ir para a água comigo. Nesse momento tive um "flashback".
Viajei atrás no tempo, e só parei quando me lembrei do Fábio naquela mesma praia e do nosso beijo. E fez-me confusão. Fiquei uns momentos parada, imóvel até.

Pedro: Está tudo bem Iara ?
Iara: Ah, diz, diz Pedro ? - Falei com hesitação.
Pedro: Estás bem ? Paraste de um momento para o outro. 
Iara: Desculpa, ah , vamos para a água ?
Pedro: Sim ... vamos .
  E fiquei um pouco estranha, mas acabou-me por passar.
Tivemos uma tarde óptima, mas houve sempre aquela vontade de estar com o Fábio. E comecei a palpitar se teria mesmo tomado a decisão certa. O meu coração, dizia que talvez não tenha sido a melhor decisão, mas que se tivesse ficado com o Fábio teria as mesmas dúvidas que tenho agora mas em relação ao Pedro. Será que não tenho sossego nesta cabeça ? ; que começo a achar que é oca, mesmo.
São muitas dúvidas. E dúvidas essas que não sei, e duvido que sejam esclarecidas. Preciso de respostas, e depressa. Devo entrar em louca só de pensar em cada um deles, e mesmo estando com o Pedro não me conformo de não estar ao lado do Fábio. Porquê a mim ? Podia ter calhado isto a outra pessoa, e porquê a mim ? Fiz assim tanto mal numa vida passada para pagar agora ? Raios me partam ! Só me apetecia desaparecer da face da Terra. Gostava de sentir outro ar, outras emoções e viver outras experiências que aqui estão mais que gastas. Preciso de ver gente nova, gente diferente desta, e rápido.
  Pensei bem na hipótese de ir viajar e não queria contar nada ao Pedro nem ao Fábio. Apenas a minha família saberá pois não quero que eles fiquem preocupados comigo a esse ponto, não queria que eles se preocupassem comigo por ir de viajem sem avisar. Preocupação desnecessária.

Iara: Pedro, preciso de ir sair, vá vemos-nos depois - Dei-lhe um beijo na cara. - amo-te.
 E saí do pé dele, e fui ver quanto custava uma viagem para Espanha e França. Vi que de avião era cara por isso decidi pedir dinheiro aos meus pais para gasolina, pois decidi ir de carro até Espanha.
Fui até a casa dos meus pais, avisar-lhes da notícia e eles nem protestaram.
Carolina: Juízo.
Eduardo: Nem te metas em encrencas e porta-te bem.
Diogo: E só eu é que não posso ir a viagens destas !
Iara: Cala-te !
Diogo: É verdade oh.
Iara: Aham, diz que sim.
 E comecei a preparar as coisas para ir para Espanha espairecer.
 Sem dizer nada a ninguém, iria partir rumo a Espanha só amanhã. Queria chegar lá à tarde ou à noite, tanto me faz. E depois aproveitar o máximo que pudesse. Estava a pensar até em comprar ou trazer um animal de estimação de Espanha. Um hamster ou um cãozinho tanto me fazia.
Fui para a cama a pensar na ideia de um novo morador nesta casa.  Adormeci.

  Acordei e era 11 horas. Fui comer, arranjar-me rápido e partir para Espanha. Se bem que não sabia bem onde ia ficar, mas hotéis não são coisa que faltem em Espanha não é ?
Estava a sair de casa quando dou de caras com o Pedro.
Iara: Pedro, que fazes aqui ?
Pedro: Fiquei preocupado, saíste do pé de mim e nem me avisaste onde ias. Não me ligas-te, nem mandas-te mensagem, e fiquei preocupado contigo.
Iara: Hum, não era preciso.
 Estava a tentar esconder a mala.
Pedro: Que estás a esconder aí atrás ?
 Ele tinha mesmo que reparar ?
Iara: Não é nada !
Pedro: Posso entrar ?
Iara: Ah, não ! Estou de saída !
Pedro: Vais onde ?
Iara: Hum, vou a... , ver a minha mãe, sim !
 Oh meu Deus, pior que isto só se for a morte .
Pedro: Mas ela está bem ?
Iara: Sim, é que ela anda a, anda a... , anda meio constipada e por isso queria certificar-me que ela está bem.
Pedro: Esta bem, então.
Iara: Então vemos-nos depois, beijinho.
 E fui a correr para o carro e dei uma volta ao quarteirão. Voltei a casa e busquei as malas, e parti para Espanha em busca de sossego por uns dias, em busca de ar puro para respirar e nossos pensamentos. Respostas a perguntas sem as mesmas e um pouco de lazer.  A partir daí, foi apenas a ouvir o rádio no máximo, cantar até chegar ao meu destino e esperar que esta viagem me abrisse os olhos.

continua.

Delírios de Amor - XXV

 Passaram uns dias, lentos e duradouros, mas acabaram por passar. Nesses dias reflecti sobre tudo e cheguei a uma decisão.  Precisava de ir falar com os dois ao mesmo tempo, não queria confusões sobre o que disse ou deixei de dizer e eles precisavam de ouvir tudo o que tinha para dizer antes de dizer qual deles é que queria ao meu lado como namorado, e o outro como amigo. Liguei-lhes e marquei um encontro na Esplanada.
Ambos já lá estavam, e comecei a pensar porque chego sempre em último. Será que são eles que vêem demasiado cedo, ou sou eu que chego mesmo atrasada ? Enfim, isso agora não é importante, ahah .
Iara: Olá
Pedro: Vai logo ao assunto.
Fábio: Mesmo.
Iara: Calmem, tá ?
 Reviraram os olhos, ambos.
Iara: Bem, eu queria dizer-vos no que me baseei para tomar esta difícil decisão.
Fábio: Que foi ... ?
Iara: Ai, calma, deixem-me falar tudo !
Fábio: Esta bem.
Iara: Baseei-me em tudo o que passei com aquela pessoa, e nos sentimentos novos que descobri, senti e vivi. Baseei-me nas experiências e nas vivências, no amor demonstrado e naquele que nunca se demonstrou mas que sabia que estava presente. - Olhei cada um nos olhos. E falei como se não houvesse amanhã.- E sei que cada um de vocês me marcou, de maneira diferente claro, mas marcou. E amo-vos de maneira completamente diferentes e sem qualquer tipo de explicação. - Tive de respirar fundo , para falar de cada um. - Tu Fábio, bem, tu és especial. - O Pedro começou a ficar um pouco tipo revoltado, mas acalmou-se rápido. - Pensei que o meu sentimento por ti fosse de irmãos, mas enganei-me.
Pedro: O quê ?!
Iara: Pedro, calma, asério.
Pedro: O quê ?! Calma ?! Quer dizer, dou-te tempo para pensares e enrolas-te com ele ?! Por favor.
Iara: Não foi nada disso que aconteceu, foi sem dar-mos conta e aconteceu naturalmente ! Pedro, ouve-me até ao fim, peço-te.
 Nem me respondeu e calou-se. Sem ligar ao Pedro, continuei.
Iara: Sabes o quanto me ajudaste neste dias, o quanto passámos nestes dias e não me arrependo, pois tu mostraste-me o que és e conheci-te como se calhar muita gente não te conhece. Obrigada. - E sorri-lhe. - E tu Pedro. Contigo, construí uma história, construí um amor que nunca pensei que acontecesse e durasse. Contigo aprendi a amar de verdade e a sonhar mais alto. Sei que passámos por muita porcaria, mas o que passámos fortaleceu-nos, pelo menos até agora. Sei que contigo posso contar sempre, tal como com o Fábio. Independentemente do que acontecer, sei que vocês os dois serão sempre um dos homens da minha vida, e nunca serão esquecidos por muito que a vida nos arraste por caminhos diferentes, eu nunca irei esquecer o que cada um de vocês me fez sentir. - Boa Iara, estás a conseguir. - Obrigada aos dois por fazerem-me uma mulher feliz.
Fábio: Bem, e qual é a decisão ?
Pedro: Sim, qual é ?
  Ai minha nossa Senhora.
Iara: Eu escolhi ficar com aquele que me protegeu nos momentos menos esperados e que me amou sempre. Com aquele que tive grandes momentos, e esse alguém é o Pedro.
 O Pedro abraçou-me com tanta força, mas a minha primeira reacção foi olhar para o Fábio. Ele levantara-se e ia andando para o carro.
Iara: Pedro, deixa-me ir falar com o Fábio.
Pedro: Vai lá, mas não te demores.
Iara: Esta bem.
  Fui a correr atrás do Fábio .
Iara: Fábio ! Fábio ! Espera !
Fábio: Que queres ?
Iara: Não fales assim comigo.
Fábio: Queres que fale como ? Não sei como te falar, o menino Pedro ainda me mata se te falar bem.
Iara: Que exagero ! Mas eu não quero ficar mal contigo, sabes que contigo tive coisas que ele não me pode dar, mas com ele... - Ele interrompeu-me.
Fábio: Não precisas de explicar nada, eu percebo. - Sorriu.
Iara: Percebes ?
Fábio: Sim, e espero que não te arrependas da tua decisão.
Iara: Nem eu.
Fábio: Bem, se calhar é melhor ir andando. Vocês devem querer estar sozinhos.
  Abracei-o. E ao ouvido disse-lhe:
Iara: Não me vou esquecer de ti gordo, amo-te !
Fábio: Nem eu de ti feia, sabes bem o que sinto. Vá, agora vai lá.
 Dei-lhe um beijo na cara e deixei-o ir, pensando que se o tivesse escolhido seria tudo mais diferente. Mas se me arrepender, sei bem o que fazer.
Fui andando até chegar ao Pedro, e ele fez sinal para me sentar no colo dele e sentei-me.
Pedro: Tomaste a decisão certa ?
Iara: Hãn ?
Pedro: Tomaste a decisão certa ? Achas que ficar comigo foi a melhor opção ou escolheste porque tinhas que escolher alguém ?
Iara: Pedro, que perguntas são essas ?
Pedro: São perguntas normais, eu vi como ele olhou para ti e como tu olhas-te para ele.
Iara: Quer dizer, eu escolho-te e tu ficas assim  ?
Pedro: Fico, não o sei o que vocês tiveram, não o que sentiste com ele, não sei o que ele te pode dar que eu não possa, não sei nada ! E eu não quero ser a 2ª opção.
Iara: A melhor decisão, não sei se a tomei. Mas tu nunca serás a 2ª opção. Contigo tive de tudo, e esse tudo quero voltar a tê-lo.
Pedro: Mas e se tiveres saudades dele ? De estar com ele da mesma maneira que estás comigo ? Não te posso prender numa cela, trancar-te a 7 chaves e fazer com que o esqueças em 2 segundos.
Iara: Se isso acontecer, serás a 1ª pessoa a sabe-lo , garanto-te.
Pedro: Ainda bem, então.
 Beijei-o, e tinha imensas saudades de o fazer. Era como nos velhos tempos, naqueles tempos em que só ele e eu existíamos e que o resto era só uma pequena coisa que não nos preocupava.
Mas ele tinha razão, e se eu me arrepende-se de ter escolhido o Pedro em vez do Fábio ? Bem, nem quero pensar nisso. Vou aproveitar tudo isto, e saber que voltou tudo ao normal agrada-me.

continua.

bright petals.