my life sucks

sinto-me sozinha, mesmo estando rodeada por pessoas que realmente gosto. é um vazio que se vai tornando cada vez mais profundo e que quando dou conta sinto que não posso repará-lo. dou por mim tendo mais momentos de fraqueza do que propriamente momentos com esses sentimentos "coloridos". sim, e vai ser assim até descobrir algo que me preencha. hoje fiz o meu auto-retrato, e vi que dentro de mim há coisas que não sei explicar por palavras e muito menos ditas. complicada, confusa, sensível, frágil, melancólica. encontro assim por dentro. claro que os meus dias não são resumidos a estar sozinha, triste, mas penso nisso e penso como isso é tão verdade que não faço nada em relação a isso. parece que me dá um certo conforto estar neste mar de sentimentos, onde ondas de tristeza me invadem e posso estar como quero. a pensar, ouvir música que realmente me faz pensar bem. enfim, sou esquisita em todos os modos. não há ninguém ou alguma coisa que irá mudar isso.


eu podia pensar que te podia esquecer, mas todos os dias, não dá para evitar procurar por ti, em onde quer que esteja. evito-te, ignoro-te, faço tudo e tudo. mas procuro-te na mesma. faço de mim o meu próprio brinquedo onde penso que isto não acabará e posso usar-me para fins sem qualquer nexo ou razão aparente. a única coisa que deixei de fazer foi chamar a tua atenção, ir atrás de ti, esperar por ti, e tentar não te amar mais. por isso, seria bonito da tua parte ires embora de vez antes que dê em doida de não puder tirar-te nunca mais da minha cabeça. é um favor que fazes a mim e às pessoas que me aturam de mau humor. love you.


8 # Carta para o teu amigo virtual preferido


tenho alguns amigos virtuais, mas não são aqueles em quem mais confio, amo, protejo, etc. simplesmente são aqueles com quem falo para ter uma opinião mais aberta, de alguém que não está tão a par do assunto. mas o meu "amigo virtual preferido" foi um rapaz, sinceramente de amigo não foi muito, mas vá, gostei de conhecer, é simpático, querido e sabe falar. não conversámos sobre nada em geral, foi conversas banais e depois deixamos  o contacto de lado e perdemos-nos nesse instante. não investi na possível amizade por que acho que saberia se iria resultar ou não. ele, apenas me fez esquecer por breves minutos o caos da minha vida dentro da minha cabeça que geralmente é difícil e por isso digo que talvez foi o meu "preferido". gostei, e foram boas as poucas conversas que tivemos.

soul mates


 envolvendo o meu corpo no teu, beijando os teus lábios, sentindo a tua essência a fundir-se com a minha      são apenas sensações. sensações que comparados ao sentimento, nada são. e que por esses dois, estamos  unidos para sempre, pois qual coração resiste a tanto amor que ambos sentimos? exacto. nenhum. então porquê esse fim repentino? que apanhou-nos aos dois, desprevenidos? tínhamos tanto, tanto e nada. mas bastava e ainda basta. então, porquê? pois, perguntas sem respostas. várias são elas e respostas, nenhumas. e agora, encontro-me com as mãos pelo meu corpo, tentando sentir o meu corpo ao teu. colocando os meus finos e longos dedos nos meus lábios, tentando sentir os teus e por fim, colocando a minha mão no coração tentando sentir aquilo que outrora foi teu.

bright petals.