odeio que me irritem, mesmo sendo pessoas importantes. tira-me do sério.

o rapaz certo


e quando te sentires a tentar de novo, segura a mão dele e vê como lindo pode ser. apaixona-te por alguém em quem confies e que nunca iria desistir de ti porque és tudo o que ele precisa. dá-lhe uma oportunidade, ele não vai ser como todos os outros, acredita. tu sabes que há algo entre vocês e ele ajudar-te-à a mudar essa tua ideia errada do amor. não tens nada a perder, tu nunca sabes se não tentares. não o deixes ali a perguntar-se   porquê. e quando estiveres pronta para escolher, ele vai estar ali, de braços abertos , com o mesmo amor no seu coração. 

Leva-me contigo - I


- Margarida despacha-te!, vais-te atrasar outra vez - gritou Iara.
- Desculpa mãe, já estou quase - respondi.

Onde está a minha mala? Oh come on, não vais desaparecer agora ou vais? Raios partam.

- Mãããe ! Oh Mãe ! Mãe ?! MÃE ! - berrou Margarida. 
- Meu Deus, que foi Margarida ? 
- A minha mala? 
- Estás a gozar comigo certo? 
- Não... onde está? Oh mãe, a sério! 
- Está nos teus ombros tonta. 
- Upsss - retorquiu meio atrapalhada. 

 Faltavam 10 minutos para dar o toque e ainda não estou despachada e de repente, tudo decidiu desaparecer. Por sorte, tinha uma escova no carro, levava um lápis para os olhos na mala junto com um batom e depois comia qualquer coisa durante a viagem. 


 Já eram quase seis horas quando fui ter com o Martim, perto do muro do costume. Ele estava com uma beenie que eu amo, as calças lindas pretas e uma camisola cinzenta. Estava com dois amigos, o Rui e o Duarte. Fui ter com eles para levar o Martim dali, afinal só tínhamos 1 hora por dia para estar juntos. Há que aproveitar; Eu e o Martim conhecemos-nos à dois anos, dia 21 de Dezembro. Não simpatizei muito com ele, tinha ar de estúpido e eu não queria nada com ele. Na passagem de ano, tivemos a oportunidade de nos conhecer um pouco mais e eu fiquei deveras surpreendida com a personalidade dele. Mesmo assim, andava sempre com um pé atrás com ele, não o conhecia bem, ele podia ser um pedófilo não? Eu comecei a confiar nele quando passei uma fase menos boa. Ele sempre me apoiou e esteve do meu lado e me deu o devido valor como mais ninguém o sabe fazer. Quando comecei a apaixonar-me, ele começou a gostar de outra rapariga e eu fiquei de rastos... Tive de lhe contar, ele conhecia-me melhor que ninguém naquele momento. Sabia os meus pontos fracos todos, lia-me com o olhar. Sofri imenso quando ele me rejeitou, eu nem queria acreditar que depois de todo o carinho que ele me deu e eu lhe dei, os seus sentimentos por mim era apenas amizade.  Eu lá deixei os meus sentimentos por ele de lado e fui continuar a minha vida. Conheci um rapaz simpático na escola  (andamos na mesma) e achei-o piada. Fez-me esquecer o Martim durante algum tempo, mas logo deixei de lhe dar importância. Soube que o Martim ficara com ciúmes por sair com o tal rapaz e deixou a rapariga de que dizia que gostava e marcou um dia para estarmos juntos, para conversarmos. Falámos de tudo, dos ciúmes, do sentimento, e da amizade. Eu disse que gostava de arriscar, ele disse que também, e depois ele beijou-me, dando início a tudo. 

- Olá meninos, vim vos roubar o Tim. 
- Olá Mar - disseram o Rui e o Duarte. 
- Olá princesa - sorrindo-me, Martim disse. 
- Olha, sábado estás livre? - perguntou-me o Rui. 
- Livre para quê? - perguntou Martim. 
- Olha tu com ciúmes - disse eu, em tom divertido. 
- A Rafa faz anos sábado e estou a preparar-lhe um jantar surpresa - conclui Rui. 
- Oh ele está apaixonado - gozou Duarte puxando-lhe as bochechas. 
- Que querido Rui ! Conta comigo para o que precisares - disse-lhe. 

Delírios de Amor pt.2 - Leva-me contigo.


e como de costume, tu estavas com o teu grupo de amigos sentados num muro. estavas com um ar cansado, mas continuavas lindo. os mesmos olhos verdes que eu tanto adoro continuavam a brilhar, e o cabelo castanho desalinhado ainda se mantinha, com um cap por cima. observei-te pelo que pareceu o infinito e tu soltas-te o teu sorriso maroto que eu tanto conhecia. olhas-te para mim e de seguida falas-te para um dos teus amigos e vieste ter comigo com o sorriso mais verdadeiro de sempre. abraçaste-me e deste-me um beijo na testa. sorri-te e disseste um amoroso "olá princesa". fizeste sinal aos teus amigos de que ias embora e agarraste-me na mão perguntando-me sobre o meu dia. respondi-te com o maior aborrecimento possível por ainda não teres reparado no meu novo penteado e depois surpreendeste-me com um "adoro o que fizeste ao cabelo, mesmo achando que és mais bonita ao natural, pensavas que não tinha reparado han? ahah" e colocou e braço à minha volta.

romance


eu ainda acredito no romance e deve ser por isso que me custa tanto estar atraída por um rapaz por muito tempo, e apaixonar-me também. até ontem estava atraída por um rapaz que para mim já foi tudo, e que agora já não assim tanto, mas no decorrer da tarde, não sei...faltava algo, mesmo. e eu como sempre, já não sentia o que sentia, a atração rompeu-se e de nada valeu as minhas chamadas de atenção para ele. já não queria saber.  e assim soube que para um rapaz me atrair verdadeiramente tem que me conquistar a toda a hora, todo minuto, todo o segundo. sei que deve ser impossível, mas eu também não disse que era fácil.

bright petals.