dear diary,


as coisas parecem estar a voltar aos eixos. mesmo que o meu pai ainda queira voltar, os problemas cá em casa assentaram. talvez nem seja por muito tempo, mas pelo menos já voltou a trabalhar e mesmo que não seja muito, ganha, espero eu. as minhas férias é que estão a ser secantes até dizer chega. só saí uma vez de casa e mesmo assim, foi domingo. se conseguir, neste fim de semana saio um pouco de casa e na próxima semana combine com toda a gente que puder. para não falar que existe paletes de trabalhos de casa da stora de matemática. 

Leva-me Contigo - III


 Fui ter com os rapazes à sala e sentei-me ao lado de Martim e do tio Lourenço. Felizmente o jogo já estava quase a acabar e estava empatado. Nem reparei com quem estavam a jogar, não me interesso minimamente por futebol.

- Então Guida, é o teu namorado? - a tentar meter-se comigo disse o tio.
- É tio, e não me chames isso! Que nojo - respondi.
- Sou o Martim - apresentando-se a ele, levantou a mão para um aperto e soltou um sorriso.
- E eu sou a pessoa que deves temer se magoares a Guida - apertou a mão de Martim e riu-se.
- TIO ?! Que parvo ! - dei-lhe um chapada no braço.
- LOL, eu sou a pessoa que ele deve temer - meteu-se o meu pai a tentar ter piada.
- Oh my God... - suspirei.
- Ahah eu discordo, acho que ela é a pessoa que devo temer se a magoar - disse o Martim a gozar comigo.
- Ah-ah que piada Martim. Não dou chapadas assim com tanta força.. - disse.
- Só um bocadinho, ahah - gozou. Abraçou-me e deu-me um beijo na testa.
- Marmelanço não é aqui - gritou o meu irmão do fundo da sala com a sua psp.
- Ok Gonçalo - disse.

 A minha mãe juntamente com a minha tia, traziam um tabuleiro com gelado de chocolate a baunilha. A tigela maior obviamente, era para mim e a segunda para o meu tio. Deliciei-me naquela perdição e quando acabou ainda comi o que sobrou do meu irmão. Sim, sou gulosa de mais.

- Já não chega de comeres? - disse o meu pai - Vais ficar obesa e não estou para te ver no Peso Certo.
- Ok - respondi.
- Amuou ahahahah - riu-se o meu irmão.
- És linda gorda ou magra, portanto - sussurrou-me Martim, ao ouvido.
- Awww - beijei-lhe a bochecha.
- Bem, acho que já está na hora de irmos - disse o tio.
- Tão? Andas fraco ! - disse o meu pai.
- Achas, tenho que acabar o meu projeto.
- Ui que ele agora é importante - disse Mia.
- Vocês importam-se de parar de falar como no facebook? Credo - disse eu.
- Loladas mix - disse a minha mãe.
- Somos fixes - disse o meu pai.
-  Vocês nem têm a noção da figura !
- Quem dera a toda a gente ter pais como os nossos, portanto, cala-te - disse o Gonçalo.
- É isso aí filho, dá cá mais cinco - disse o meu pai.
- Bem, nós vamos - despedimos-nos dos tios e foram-se embora.
- E vocês acabem de comer isso e vão para o quarto, já tá a ficar tarde - afirmou a minha mãe.
- Esta bem. - retorqui.

 Estava feliz a pensar que ia dormir já quando me lembrei que não tinha tomado banho: fuck.

- Amor, já tomaste banho? Ou trouxeste coisas para tomar cá? - perguntei a Tim.
- Eu trouxe para tomar de manhã - respondeu.
- Eu esqueci-me e vou tomar agora, se quiseres tomas depois de mim ou assim.
- Podia tomar já era contigo.
- Uhhh, deixe-me buscar o bikini e já tratamos disso.
- Tratar do quê? - perguntou a minha mãe.
- Tomar banho - disse o Martim, calmo.
- Tomam um de cada vez, até parece que não conheces o teu pai Margarida.
- Oh mãe, é com bi-ki-ni !
- Não quero saber , vá despachem-se - e foi-se embora.

 O Tim foi primeiro e a minha mãe certificou-se que eu não entrava na casa de banho. Por sorte o meu irmão tinha que arrumar a mala e não sabia onde estavam as coisas e deixou de me vigiar. Entrei na casa de banho de fininho e fui ter com ele.

- Vou ficar a cheirar a mulher com este gel de banho - gozou ele.
- Ahah, ficas com um certo charme sabes?
- Eu não fico, eu tenho charme !
- Claro amor, claro - comecei a dar-lhe beijinhos à esquimó e depois ele encheu-me a cara com espuma.
- Ahahahahahaha, devias ver a tua cara Mar - riu-se tanto ele.
- Vais pagar-mas Martim !
- UI.
 Peguei no chuveiro e coloquei à frente dele para ele levar com aquilo na cara. Quando pensei que tinha ganho ele tira-mo e usa-o contra mim.
- Pára ! Ahahah, opa não posso rir que me entra água na boca !
- Ahahahah
- Martim pára, estou a ficar tonta.. - ele parou logo.
- Está bem Mar? - e quase que caí se não fosse ele a apanhar-me.
- Que desastrada - disse.
- Vamos lá sair daqui.
  Saímos do duche e ele fez-me sentar na bancada, onde estava o lavatório e cenas de casa de banho.
- Estás com frio? Estás branca. Toma - deu-me uma toalha - enrola-te.
- Obrigada amor. - deu-me um beijo na testa. Ouvi um barulho - Oh lindo, vem ai a minha mãe.

um facto sobre mim: bocejo enquanto canto.

coisa mais linda, Fiona.

estava no facebook a ver se tinham publicado coisas giras para ver quando uma página publicou um vídeo de uma cadelinha a ser resgatada do lixo. pensei "tadinha! quem é que coloca um animal no lixo?", cliquei e comecei a ver o vídeo. no início ninguém a encontrou, procuram a área toda e nenhum sinal dela, até que no meio de lixo e trapos vê-se ela a mexer. aproximaram-se e ela tinha os olhos esbugalhados e só depois percebi que ela estava completamente cega, dos dois olhos. comecei a imaginar o que terá passado aquela cadela, sozinha, sem comida, cega dos olhos sem ninguém a ajudá-la e foi aí que sem dar conta comecei a chorar. qual será a sensação? de não ver nada, de estar tudo negro à nossa volta e de estarmos sozinhos assim? as pessoas que foram resgatá-la deixaram-lhe cheirá-los e fizeram-lhes festinhas. levaram-na para sua casa e no caminho deram-lhe o nome de Fiona. quando chegaram viram que ela tinha o pelo infetado com bichinhos ou assim, e raparam-lhe o pelo. no outro dia, levaram-na ao veterinário e o médico disse que ela tinha hipóteses de voltar a olhar num olho. e aí fiquei feliz como sei lá o quê. só de saber que a pequenina podia voltar a ver as coisas à sua volta e ter uma vida mais ou menos normal é um sensação ótima. a operação correu às mil maravilhas e no final do vídeo ela saltava, brincava e via-se que estava feliz, mas o mais importante é que a adotaram. se eu pudesse adotava todos os animais abandonados e que não têm nenhum lar. custa-me mesmo, mesmo, mesmo, ver assim os animais. se os adotaram para quê os abandonar? eles nunca pensariam em fazer-vos isso. eles também sentem, eles também amam, e precisam de ser amados. há coisas que me ultrapassam a sério. abandono de animais é uma delas. portanto se vão adotar um animal ou resgatá-lo, que nem vos passe pela cabeça abandoná-los e fazer o que fizeram à Fiona. é simplesmente um ato horrível da vossa parte. (vídeo)

Leva-me Contigo - II


Viemos os dois para minha casa e eu perguntei ao Martim se ele queria dormir cá. Ele disse que sim, mas só se o meu pai deixasse, ele quer ser um rapaz educado e que os meus pais achem-no um bom "partido" para mim.

- Pai, o Tim vai passar cá a noite está bem? - perguntei-lhe.
- Ahahah também não queres o euromilhões - disse o meu irmão,Gonçalo.
- Pode ser ? A mãe já disse que sim...
- Pronto, esta bem - respondeu-me.
- Yey obrigada papá - dei-lhe um beijo na bochecha e levei o Tim para o quarto.

Não íamos fazer nada de mais, namorar, ver filmes, jantar e apenas dormir e fazer vídeos lindos para o tumblr.  
Amanhã não tínhamos aulas de manhã portanto dormíamos as horas que quiséssemos. Os meus pais têm plena confiança em mim e no Martim mesmo tendo nós 16 anos. É por isso que os amo, são liberais mas impõem regras. E o mais importante, acreditam e confiam em mim. Eles já me contaram a história deles milhões de vezes e até já decorei algumas das deixas que eles dizem. Eu adorava que tivesse uma história como a deles, mas não consigo ver-me longe do Martim. Gostava que ele fosse o tal, como o meu pai é para a minha mãe. 

- Desta vez é a minha vez de escolher o filme - disse Martim. 
- Não escolhas ação. 
- Estragas sempre tudo Mar - disse revoltado. 
- Oh desculpa pequenino - retorqui apertando-lhe as bochechas e tratando-o como um bebé. 
- O pequenino amuou - e virou-me a cara, cruzando os braços.
- Anda cá oh - abracei-o e comecei a dar-lhe beijinhos nas bochechas passando para os lábios. Sorri-mos e ele abraçou-me de volta - então, continuas amuado? 
- Ahah cala-te oh ! - e beijou-me. O ambiente começou a "aquecer" até que a minha mãe bateu à porta. 
- Meninos, o jantar está na mesa ! 
- Já vamos ! - gritei. 
- Vamos que estou a morrer de fome - reclamou Tim. 
- Admirava-me se não estivesses - disse-lhe, sorrindo. Agarrei-lhe na mão e levei-o para a sala de jantar. 

- Hmm, está tudo delicioso Dona I. - disse Martim. 
- Ainda bem que gostas Martim - sorriu orgulhosa do seu prato. 

Adorava o facto do Martim ser tão educado e se esforçar tanto para que os meus pais gostassem dele. O Gonçalo adorava-o, era como se o Tim fosse um irmão mais velho. Ele acha-o um exemplo a seguir, mesmo picando maior parte do tempo. O meu pai aprova-o, e a minha mãe também o que facilita muita coisa.

Depois do jantar, fomos todos para a sala ver TV. Começou a dar um jogo qualquer do Sporting e a campainha tocou. Toda a gente, incluindo Martim, sabiam que seria o tio Lourenço para ver o jogo com o meu pai. O meu pai, o tio, e o meu irmão ficaram a ver o jogo enquanto eu, a minha mãe e a tia Mia ficávamos a conversar na cozinha.  

- E que tal me contares desse Martim ? - perguntou a tia Mia. 
- É, estão apaixonados os miúdos - respondeu a minha mãe. 
- Oh, eu gosto dele, ele gosta de mim e estamos juntos - conclui. 
- Vou voltar a avisar-te para ter cuidado, hoje em dia todos os rapazes se aproveitam - avisou Mia.
- Eu sei tia, mas não é o caso do Tim. 
-  Concordo com a Mia, tens que ter cuidado filha. Se acontecer alguma coisa contas-me logo - disse-me a mãe galinha.
- Ai mãe, ainda somos novos para isso ! 
- Para ele podem não ser - retorquiu Mia. 
- Confiem em mim e nele. Nada disso se vai passar, por agora - disse.
- Juízo vocês - disseram as duas em uníssono. 

falta de ponto e vírgula

ninguém me conhece mesmo. se disserem aos meus amigos que sou romântica eles pensam que estão a contar-lhe uma piada. se digo que gosto de alguém eles ficam surpreendidos porque não é qualquer um que me agrada ou porque ele é diferente do que imaginam para mim ou porque não me vêm com ninguém por eu ser fria ou um pouco malvada para as pessoas. se sou querida é um ato raro, não o costumo fazê-lo muitas vezes e quando o faço sinto-me estranha. bem, mas estranha. não é uma coisa comum, logo não estou habituada. gosto de me gabar, adoro. isso ninguém o nega. sou tímida. nem vale a pena contrariarem, sou mais tímida que sei lá o quê. mas com os amigos, sou a mais louca. não penso em consequências. sou impulsiva e respondo às pessoas. eu gosto de um bom filme romântico, com direito a princesas e príncipes, cenas românticas e um final feliz. e deste modo também gosto do contrário, filmes de terror que colocam as emoções à flor da pele e que nos fazem soltar gritos de medo por quem estiver por detrás da porta. adorava que um rapaz me tratasse como uma princesa, com os exageros todos que ele quisesse. que me desse um beijo na mão, ajoelha-se, desse-me um buquê de flores, me puxasse para dançar... sei lá, coisas românticas de um amor verdadeiro e isso tudo. eu sou sarcástica, mázinha, e bruta, admito. mas também sou frágil, penso demasiado, sensível, e acima de tudo com falta de alguém para chamar de "meu". no entanto, eu sei que não preciso disso, estou feliz, ótima como estou agora. sem complicações com rapazes e nenhum me ocupa o coração neste momento o que é ótimo. mas à sempre aqueles dias em que pensas que, toda a gente encontra alguém um dia, e que tu estás aí sozinho. é, eu penso isso. mas passa-me porque estou bem assim. não é preciso um rapaz para seres realmente feliz e eu sou feliz sem ele. às vezes fico a admirar o que pessoas pensariam se me vissem a falar sozinha. de certo que ririam de mim, mas se calhar identificariam-se não? quem é que nunca falou sozinha? quer dizer, não sou assim maluca, espero eu. adoro músicas tristes. é um facto. mesmo não estando triste, as músicas tristes são as que maioritariamente toda a gente se identifica e eu não sou exceção. adoro uma boa música meio tristonha assim como uma mais mexida e que faz dançar e cantar aos altos berros. toda a gente pensa que sou obcecada pelo facebook. que nojo! eu só fico online porque nunca tiro a página, estou sempre no tumblr (porque ele é mesmo a minha obsessão), no blog, ou no youtube, ou a ver séries. tenho mais que fazer do que ver as pessoas a espigarem-se umas às outras. odeio plenamente quando dizem que são verdadeiras beliebers e passado um 1 ano dizem que o Justin se estragou e ficou completamente nojento. vocês é que ficaram nojentas, que eu saiba foram vocês que usaram um nome que não merecem. se eu pudesse comia frango para sempre, quem me conhece sabe que amo. há música que mesmo por não ouvir eu nunca apago do telemóvel. falo com muita pouca gente por sms. gosto de dormir em posições como 4 ou concha. adoro massa. digam o que disseram o Pablo Aimar é sexyyyyyyyyy de mais (amo o cabelo dele, não estou a gozar). adoro o Ricky Van Wolfswinkel. e por falar em rapazes, Zayn Malik é meu marido. anotem e não se metam com ele (o Justin também é, mas isso já é óbvio). gostava mesmo de ser fada/sereia. a minha vida seria mais emocionante com certeza. segundo o meu signo sou depressiva, instável e medrosa e eu não podia concordar mais. óbvio que eu não penso em ficar a morrer e isso, mas já houve meses em que nada para mim importava quanto mais ter amigos, conviver e ter uma vida como todos os outros. já não importa, passou. estou bem comigo mesma, com todos e mais alguns. sou tudo e mais alguma coisa, mas é assim que eu sou eu. 

bright petals.