falta de ponto e vírgula

ninguém me conhece mesmo. se disserem aos meus amigos que sou romântica eles pensam que estão a contar-lhe uma piada. se digo que gosto de alguém eles ficam surpreendidos porque não é qualquer um que me agrada ou porque ele é diferente do que imaginam para mim ou porque não me vêm com ninguém por eu ser fria ou um pouco malvada para as pessoas. se sou querida é um ato raro, não o costumo fazê-lo muitas vezes e quando o faço sinto-me estranha. bem, mas estranha. não é uma coisa comum, logo não estou habituada. gosto de me gabar, adoro. isso ninguém o nega. sou tímida. nem vale a pena contrariarem, sou mais tímida que sei lá o quê. mas com os amigos, sou a mais louca. não penso em consequências. sou impulsiva e respondo às pessoas. eu gosto de um bom filme romântico, com direito a princesas e príncipes, cenas românticas e um final feliz. e deste modo também gosto do contrário, filmes de terror que colocam as emoções à flor da pele e que nos fazem soltar gritos de medo por quem estiver por detrás da porta. adorava que um rapaz me tratasse como uma princesa, com os exageros todos que ele quisesse. que me desse um beijo na mão, ajoelha-se, desse-me um buquê de flores, me puxasse para dançar... sei lá, coisas românticas de um amor verdadeiro e isso tudo. eu sou sarcástica, mázinha, e bruta, admito. mas também sou frágil, penso demasiado, sensível, e acima de tudo com falta de alguém para chamar de "meu". no entanto, eu sei que não preciso disso, estou feliz, ótima como estou agora. sem complicações com rapazes e nenhum me ocupa o coração neste momento o que é ótimo. mas à sempre aqueles dias em que pensas que, toda a gente encontra alguém um dia, e que tu estás aí sozinho. é, eu penso isso. mas passa-me porque estou bem assim. não é preciso um rapaz para seres realmente feliz e eu sou feliz sem ele. às vezes fico a admirar o que pessoas pensariam se me vissem a falar sozinha. de certo que ririam de mim, mas se calhar identificariam-se não? quem é que nunca falou sozinha? quer dizer, não sou assim maluca, espero eu. adoro músicas tristes. é um facto. mesmo não estando triste, as músicas tristes são as que maioritariamente toda a gente se identifica e eu não sou exceção. adoro uma boa música meio tristonha assim como uma mais mexida e que faz dançar e cantar aos altos berros. toda a gente pensa que sou obcecada pelo facebook. que nojo! eu só fico online porque nunca tiro a página, estou sempre no tumblr (porque ele é mesmo a minha obsessão), no blog, ou no youtube, ou a ver séries. tenho mais que fazer do que ver as pessoas a espigarem-se umas às outras. odeio plenamente quando dizem que são verdadeiras beliebers e passado um 1 ano dizem que o Justin se estragou e ficou completamente nojento. vocês é que ficaram nojentas, que eu saiba foram vocês que usaram um nome que não merecem. se eu pudesse comia frango para sempre, quem me conhece sabe que amo. há música que mesmo por não ouvir eu nunca apago do telemóvel. falo com muita pouca gente por sms. gosto de dormir em posições como 4 ou concha. adoro massa. digam o que disseram o Pablo Aimar é sexyyyyyyyyy de mais (amo o cabelo dele, não estou a gozar). adoro o Ricky Van Wolfswinkel. e por falar em rapazes, Zayn Malik é meu marido. anotem e não se metam com ele (o Justin também é, mas isso já é óbvio). gostava mesmo de ser fada/sereia. a minha vida seria mais emocionante com certeza. segundo o meu signo sou depressiva, instável e medrosa e eu não podia concordar mais. óbvio que eu não penso em ficar a morrer e isso, mas já houve meses em que nada para mim importava quanto mais ter amigos, conviver e ter uma vida como todos os outros. já não importa, passou. estou bem comigo mesma, com todos e mais alguns. sou tudo e mais alguma coisa, mas é assim que eu sou eu. 

Comentários