Box Full Of Secrets #20

     Chegámos finalmente e quando entrámos a avó foi logo ver se estava bem do passeio. 
- Então Luna, está tudo... - parou onde estava assim que viu Tiago à porta. - Oh, mas quem é este teu. amigo? 
- Tiago esta é a minha avó, avó este é o Tiago - apresentei-os - Foi ele quem encontrou Persifal no outro dia.
- Ah sim, o herói. 
      Riu-se - É um prazer conhecê-la...
- Mondy - e esticou a sua mão para Tiago beijá-la. Tiago fez o que avó quis.
- Avó! - murmurei entre dentes meio envergonhada para avó. Apenas ela reparou. - Viemos tomar café - retomei.
- Olha que bom, acabei de fazer. 
- Então vamos. 
     Indiquei o caminho a Tiago e fomos para a cozinha. Mercúrio claro que tinha de ver o que se passava. 
- Então Luna, já nem apresentas o teu amigo? 
- Desculpa, Mercúrio este é o Tiago, Tiago este é o Mercúrio - disse. 
- Chamas-te mesmo Mercúrio? Que nome invulgar - confessou. 
      Eu, avó e Mercúrio olhámos-nos stressados. Ele não podia desconfiar de nada. Mercúrio tinha de dizer que não e que o seu nome verdadeiro era outro. 
- Não é. Chamo-me... hmm - olhou para avó stressado, avó retribuiu-lhe um olhar calmo e desse modo Mercúrio acalmou-se - Chamo-me Miguel. Mas Mercúrio é um nome fixe sabes? - encolheu os ombros e foi em direção ao àrmario. 
      Avó olhou para mim preocupada e foi aí que dei conta de que Mercúrio estava apenas de calças de ganga, sem camisola. Ai vida. 
- Mer... Hum, Miguel, porque não vais vestir uma camisola? Temos visitas - disse avó. 
- Oh não tem problema, a casa é vossa - retorquiu Tiago.
- Vês, não há problema... 
- Miguel, vai fazer o que disse - avó lançou-lhe o tal olhar e ele foi fazer o que ela mandou. 
- Desculpa por isto - disse baixinho a Tiago enquanto avó preparava as chávenas. 
- Estás a pedir desculpa porquê? Não aconteceu nada de mal, pelo contrário - sorriu. 
       Avó chegou com o café. 
- Obrigado - sorriu-lhe. 
- Ora essa - sorriu-lhe de volta. 
      Entretanto Mercúrio apareceu de novo, vestido, e ficámos todos à mesa a conversar e a beber café. Avó aproveitou e também colocou o novo bolo que ela tinha feito à pouco na mesa e ele acabou num instante. Já era quase hora de jantar quando Tiago disse que era melhor ele ir para casa. 
- Tiago, não queres ficar para jantar? - perguntou avó. 
- Sim, a Mondy faz jantares deliciosos, devias provar - disse Mercúrio enquanto limpava a mesa da cozinha.
- Oh não vos quero incomodar mais - confessou.
- Não sejas tonto - falei. 
- Sendo assim - sorriu. 
      Tiago fez questão de ajudar no jantar, enquanto que eu e Mercúrio fomos para o alpendre do jardim conversar. 
- Quem é este miúdo Luna? - perguntou, directo ao assunto.
- Sinceramente? Não sei. Ele encontrou Persifal e para agradecer perguntei se ele queria vir tomar um café cá a casa e ele recusou. Hoje encontrei-o de novo e começámos a conversar - Mercúrio olhou-me intrigado - Não se passa nem se vai passar nada. 
- A tua sorte é que eu não te consigo ler, porque se conseguisse eu sabia exatamente o que vai aí na tua cabecinha. 
- Pois, mas felizmente, não podes - respondi-lhe. 
- Tu não podes confiar em qualquer pessoa que aparece na rua Luna. 
- Quem disse que eu confio nele? Acabámos de nos conhecer Mercúrio e para além do mais, tu sabes que ainda não esqueci o Sol. Ainda estou à espera que ele entre pela porta da frente com uma bela explicação.
      Mercúrio veio até mim e abraçou-me. Abracei-o de volta.
- Ele vai voltar. Ele tem de voltar - disse e beijou-me a testa. 
- Obrigada, por tudo - soltei um sorriso.  
     Tiago apareceu e fingiu uma tosse na entrada do alpendre. 
- O jantar está pronto, podem vir quando quiserem - o seu sorriso parecia meio pálido e foi em direção à mesa de jantar.
- Não me digas...
- Sim Luna, ela pensa que eu e tu... -
      Rimos. 
- Se ele soubesse o que realmente somos, enfim, eu depois falo com ele - disse enquanto íamos para dentro. 
- É melhor é - soltou uma última gargalhada.  
- Que cheiro maravilhoso! 
- É tudo obra do Tiago, Luna. 
- Cheira mesmo bem - disse-lhe. 
      Tiago sorriu-me de volta mas não com o mesmo entusiasmo de sempre. Talvez porque viu-me a mim e Mercúrio abraçados, mas isso não é razão para ficar tão abatido. Ele devia saber que não íamos ter assim nada de especial logo no primeiro dia em que nos conhecêssemos ou em qualquer outro dia. 
     O jantar até foi normal, mas havia qualquer coisa no ar. Todos notámos. Persifal a meio do jantar apareceu a miar que nem um doido. Demos-lhe comida e depois ele foi para a sala dormir.
     Avó e Mercúrio começaram a tirar os pratos da mesa e a arrumar tudo, eu e Tiago fomos para o banco do alpendre do jardim. 
- O jantar estava mesmo bom - voltei a dizer a tentar quebrar o gelo.
- Obrigado, a tua avó ajudou em tudo - retorquiu. 
- Porque é que estás amuado? 
- Quem disse que estou? 
- Nota-se à distância Tiago. 
- Vi-te com o tal Mercúrio... 
- Pensas que ele e eu temos alguma coisa? 
- Penso. 
- E se tivéssemos, qual era o mal disso? Não é razão para amuares.
- Eu sei que não, mas não posso evitar. 
- Fica descansado, eu e ele não temos nada e era estranho se tivéssemos. Somos família. 
- Oh... ele é teu  irmão?
- Meu primo - menti, mas ele não precisava de saber.
      Rimo-nos.  
- SOBREMESA - gritou avó. 
- É melhor irmos, ela é capaz de gritar muito mais alto, acredita - avisei. 
- Então vamos - sorriu. 
      O ambiente à mesa melhorou imenso e Mercúrio percebeu logo que tínhamos conversado. 
      Depois da sobremesa Tiago decidiu que era altura de ir embora. 
- Eu levo-te à porta - disse-lhe. 
- Obrigado pelo jantar - agradeceu Tiago. 
- Ora essa, fizeste mais que eu - respondeu avó. 
     Tiago e eu fomos para a porta e ficámos no alpendre da frente. 
- Gostei muito do dia Luna. 
- Ainda bem - sorri. 
- E lá vamos nós - riu-se. 
- O que foi? - sorri.
- Tu. És uma caixinha de segredos. 
- Não é caixinha de surpresas? 
- Para mim, és uma caixinha de segredos. 
- Tudo bem, que seja.  
      Tiago aproximou-se de mim, demasiado até.  Eu sabia o que se ia passar se não me afastasse e não podia deixar isso acontecer. 
- Boa noite, Tiago - e virei-lhe as costas. 

Comentários