white

as minhas palavras cortam como facas e apesar de ter noção disso, continuo com o mesmo acto. mesmo sem querer que vás, as minhas palavras dizem o contrário. magoo-te e no final sei que te estou a perder a pouco e pouco. como se a corda que nos unisse estivesse lentamente a escorregar-se das minhas mãos e eu quero evitá-lo, mas não sei como. o nó que estou a criar entre nós está a tornar-se impossível de se desenrolar e tu, apesar de não quereres ir, eu não te deixo escolha. 
fechaste a porta com força. desta vez não escondi as lágrimas, mostrei-as sem medo e revelei o quão fraca sou, antes de me deixares sozinha no quarto. sabia que não irias sair de casa. sabia irias ficar do outro lado da porta, ou a chorar, ou a tentar descodificar este meu lado tão conhecido mas ainda assim, desconhecido. 
caí na cama em choro, perguntando-me porque faço isto. sabia que se continuasse iria perder-te porque nem mesmo tu, irias aguentar muito mais tempo comigo. eu deixava-te de rastos, destroçado e partido. e eu tinha a certeza de que, quando abrisses a porta que nos separava seria para dizer "eu já não aguento isto". portanto deixei-me cair no sono e permiti-me a sonhar sobre um nós melhor que este. 
a tua respiração acordou-me, o teu gesto no meu rosto, a limpar as minhas lágrimas, confortou-me. 

"ouve"  
obrigou-me a acordar completamente e desculpar-me. 
"desculpa-me" 
sorriste-me e não percebi tal reação. 
"olha para mim; apesar de detestar isto tudo que fazes, estes nós na tua cabeça; o que nos junta, sempre será mais forte do que o que nos separa" sussurras-te. 
"desculpa" sorri. 
e demos um beijo delicado com a certeza de que tudo iria ficar bem. 

Comentários