Leva-me Contigo - XIII


8 meses se passaram desde das férias da páscoa. Estávamos em dezembro, mês do Natal, mês de dar e receber e o mês em que eu e o Martim fazíamos 1 ano de namoro. Estava super feliz, mal conseguia parar quieta ou ficar com a cara séria! Sorria por tudo o quanto era canto e o Martim o mesmo, ria-se das minhas figuras mas estava tão feliz como eu. Conseguimos passar um ano na perfeição, ele é perfeito, perfeito para mim. 

- Tenho tantas coisas em mente para dia 21 amor! - disse eu super entusiasmada.
- Eu sei eu sei, fazes questão me lembrar de cinco em cinco segundos - soltou uma risada e um sorriso. 
- Oh! É muito importante quando um casal faz um ano de namoro está bem! 
- Sim, mas Mar, nós já nos conhecemos a mais de um ano. 
- Eu sei, mas antes não éramos oficiais. 
- Ahah pronto. Não amues vá - puxou-me as bochechas e riu-se da careta que fiz. Virei-lhe a cara. - Hey, Mar, não importa quanto tempo estamos juntos, mas sim o que sentimos um pelo outro entendes? Até podíamos fazer mil anos de namoro, mas o que me interessa é ver-te feliz percebes? 
Olhei-o nos olhos, vi aqueles brilhantes olhos verdes por qual sempre me perco, percebi realmente o que ele quis dizer e ele tinha razão. Mas eu queria deixar este aniversário na nossa memória. - Oh percebo sim amor, claro. Mas eu queria que este fim de semana fosse o melhor de todos, não é todos os dias que se completam 1 ano de namoro. Eu amo-te muito, e queria que dia 21 fosse o nosso dia. 
- Mas é o nosso dia princesa, este fim de semana vai ser muito especial. Desculpa-me se pareci desinteressado nos teus planos, mas a única coisa que me interessa é ver-te comigo, feliz. 
- Eu sou, vou ser sempre príncipe. 
Beijou-me. 

Faltava 1 dia para dia 21, tinha as coisas preparadas. Íamos para a casa de férias do meu tio Lourenço. Eles iam lá sempre no verão e no final das férias de Natal. A casa era linda, em madeira, com uma lareira e um alpendre lindos, super confortável e perfeita para um noite romântica. Obviamente que pensei algo mais que um jantar e uns filmes, mas não tenho a certeza se estou preparada ainda. O Tim compreende-me, e se acontecer aconteceu. Não irei arrepender-me de nada, ele é o rapaz que amo mais no mundo inteiro. 
Os meus pais estavam super galinhas, não paravam de me chatear dizendo para ligar logo quando chegar, e cenas. Já estava um bocadinho farta. Ainda nem tinha ido e já estavam tão preocupados. Eu ia para a casa dos tios, não para a China. Arranjei-me, preparei as malas já e fui dormir. Precisava mesmo! 

Martim 

Estava um pouco nervoso por ir para a casa dos tios da Mar dia 21. Havia no ar aquele constrangimento e não só. Sabia perfeitamente que a Mar tinha andando a pensar em fazermos amor. Eu também pensei nisso e muito, e estava realmente nervoso sobre esse assunto. Não que não esteja preparado, estou e muito. Não tenho dúvidas de que é com a Mar que quero fazer pela primeira vez, mas ela ainda não tem a certeza. Não me importo, são coisas de raparigas eu compreendo. Mas pronto. 
Nem sei o que meter na mala, o que levo? Muita ou pouca roupa? Não sei. Vou colocar um pouco de tudo, t-shirts, camisolas, calças, ténis, roupa interior, meias, casacos e uns gorros, e um cachecol. Estamos no inverno, faz frio sabem. 
Vou dormir, amanhã temos de acordar cedo para a viagem.  

Margarida 

- Oh raios! Dormi mais do que devia. - gritei enquanto tentava despir-me para ir tomar banho e parecer saída de um catálogo da Victoria's Secret. 
Preparei-me rápido, mais do que o costume até, vesti-me super depressa, comi, fui buscar as minhas malas e o meu pai levou-me até ao Martim para ir buscá-lo. Foi uma viagem esquisita porque namorar ao pé do meu pai não é lá muito recomendado. Contemos-nos o máximos que pudemos mas estávamos desejosos de sair daquele carro e aproveitar o nosso fim de semana a sós. Na noite anterior pensei imenso sobre aquele assunto. Acho que não devíamos forçar o momento, e quando acontecer eu vou estar mais preparada que nunca. Tenho a certeza disso. 



Comentários