Lara vivia no mundo da fantasia, muito louca  e divertida. Assim a descreviam quando perguntavam o que achavam dela. Completamente o oposto de Jay. Mas eles não sabiam da existência um do outro. Andavam ocupados a olhar para pessoas que os prendiam e não deixavam ver a luz e ser feliz como mereciam. Jay foi recuperar os seus irmãos, companheiros e amigos. Lara estava "apaixonada" por Henry, assim ela o dizia. Todos os achavam os mais queridos e lindos, mas no fundo ela sabia que algo não estava certo entre os dois. E foi aí que Henry decidiu mostrar-se. Lara levou com a sua raiva e quando reparou um risco fino de sangue saía do seu nariz. Ela chorava, paralisada, com medo dele, e quando pensava que ele podia ser pior ele acariciou o seu rosto, passou com o dedo pelo traço vermelho e pediu-lhe desculpas a chorar. «Desculpa Lara, não sei o que me deu, desculpa-me...Sou um monstro, olha o que te fiz» disse Henry, em lágrimas e nelas Lara parecia ver o arrependimento. Afastou-o e disse que precisava de um tempo. Lara era meio maluquinha, mas não lhe faltava juízo. Saiu da casa dele, e foi para a sua onde a partilha com Sophie, a sua melhor amiga. Ela sabia que a esta hora Sophie estaria com Ben, seu namorado, portanto a casa estaria vazia para uma boa sessão de choro. Jay esboçava um sorriso de felicidade, não falso, mas verdadeiro. Sentia-se vivo de novo, sentia que tinha algo por que lutar. Para ele só vale a pena viver se tivermos algo que valha a pena lutar, se não, qual é o objectivo? Vestiu, da pouca roupa lavada que tinha, uma camisola normal preta e um casaco tipo Baseball verde, com as calças cinzentas e uns sapatos que encontrou no fundo do armário. Ligou ao Ben, e ele disse para ir ter com ele e o pessoal ao parque. Já não ia lá a algum tempo, ia fazer-lhe bem. 

Comentários