Delírios de Amor - XXXIV

 Fui a um restaurante perto, almocei e fui para casa. Passei a tarde em casa, e mandei a mensagem ao Lourenço a dizer onde morava. Estava quase na hora de ele me vir buscar, e fui-me arranjar.
  Ele chegou num carro desconhecido, mas muito bonito.  Mas não foi o carro que me chamou a atenção, mas sim como ele estava. Lindo, estava lindo. Bem arranjado, com um blazer preto. Quem diria. O mais interessante é que ele usou uma t-shirt por baixo, o que faz com que o ache ainda mais lindo. Adoro blazer mais t-shirt. As calças estavam bem, mesmo bem. Quando ele me viu ficou a olhar para mim durante um tempozinho.
Iara: Estás bem ?
Lourenço: Han? Ah sim estou. Hum estás linda, Iara ! Aliás és linda!
  Fiquei sem jeito, pensava que nem me tinha arranjado nada de especial. (Estava a usar mini saia justa, um top florido com cores que combinavam com a saia, e uma mala pequena preta.)
Iara: Ohh, obrigada. Tu também estás lindo !
 Não esperava que ele respondesse alguma coisa, e assim o fez. Apenas sorriu-me e corou um pouco. Para aliviar o ambiente perguntei do carro, ahahah.
Iara: É teu ?
Lourenço: Sim, mais ou menos. - Sorriu-me.
Iara: Então ?
Lourenço: É do meu pai.
Iara: Ah okay.
 Abriu-me a porta do carro, e era mesmo confortável. Logo de seguida fechou-ma e foi para sentar-se no seu lugar.
Iara: Onde vamos ?
Lourenço: Surpresa !
Iara: Oh diz lá !
Lourenço: Lá.
 Rimos-nos.
Iara: Posso ligar o rádio ?
Lourenço: À vontade !
 Liguei-o e calhou na RFM e estava a dar uma canção que a princípio não reconheci, mas depois de analisar bem vi que era dos LMFAO.
Comecei a cantar, a música era-me conhecida e adorava-la. O Lourenço começou a olhar para mim do tipo "que é que estás a fazer?" ahahahaha.
Iara: Canta também oh !
Lourenço: Não, ainda parto os vidros do carro e arredores !
Iara: Vá eu ajudo-te não há problema nisso, canta !
Lourenço: Não !
Iara: Cantaaaaa ! Pleaseeeee ! Ahahah.
 E ele começou a cantar e juntei-me a ele. Foi uma viagem bem divertida, e ele obrigou-me a fechar os olhos quando chegássemos ao lugar mistério. Assim o fiz.
Lourenço: Não espreites, quero que seja uma surpresa.
Iara: Esta bem ! - Por incrivel que pareça, também queria que fosse uma surpresa, queria ficar espantada com o local mesmo que não fosse assim grande coisa.
Ele conduzia-me agarrando-me na mão, dizia-me sempre para não espreitar e que já estávamos quase. Até que finalmente chegámos e ele disse-me para abrir os olhos.
Lourenço(a sorrir): Então o que achas ?
 Abri os olhos, e o que vi foi... bem foi... algo que vou-me recordar sempre ! Era lindo, perfeito, maravilhoso ! Era tipo um terraço, super bem decorado, e depois tinha um karlso, que tinha cortinas finas e brancas só em dois lados e em baixo disso, estava o que parecia ser um confortável sofá cheio de almofadas que também pareciam ser super fofinhas. Depois, o que vi foi a mesa onde estava o jantar. Estava tipo "wow" , sem palavras mesmo. E, e, e, no meio da mesa estavam flores lindíssimas.
Iara: Ainda perguntas ? Olha para a minha cara, estou deslumbrada !
Lourenço: Ainda bem que gostas, preparei tudo !
Iara: Não acredito !
Lourenço: Acredita !
Iara: Está lindo, a sério que está !
Lourenço: Ainda bem que gostas. - Sorriu-me, pegou-me na mão e conduziu-me até à mesa para comermos.
 A noite estava extremamente agradável, via-se as estrelas no céu. Estava tudo perfeito, nunca pensei que ele fosse capaz de fazer isto. Não me fartava de admirar aquilo tudo!
 A comida estava servida, começámos a comer, e ele começou a falar como fez aquilo tudo. Disse que o pai tinha este terraço e não ligava muito e por isso deixou-lhe tomar conta e limpar tudo. Falámos o porquê de ele ter vindo para cá, e disse-me que os pais se separaram à uns anos e que ele veio viver com a mãe que mora cá. Lamentei pelo facto do divorcio e ele disse para esquecer isso. Depois, fomos para o karlso, sentámos-nos naquele confortável sofá, e ficámos à conversa durante tanto tempo que perdemos noção do tempo. Chegou a uma altura em que estava já a ficar com sono, mas não pelo facto de a conversa ser má mas sim porque já era três e meia da manhã e tinha sono. Já não aguentava mais e enquanto ele falava adormeci no ombro dele. Senti que ele me acariciou a cara e me deu um beijo na testa. De mais nada me lembro.

continua. 

Comentários