Delírios de Amor - XXIV

Diogo: Estou ?
Iara: Sou eu ! Olá .
Diogo: Sis, então, ligas-me só para urgências, que se passa ?
Iara: Pedro e Fábio.
Diogo: Já vi o drama, nem precisas de explicar.
Iara: Ainda bem então, que faço ?
Diogo: Bem, acho que primeiro tens que saber o que cada um significa para ti, depois ver com qual dos dois eras capaz de viver sem, e se não conseguires ter a certeza de qual escolher, escolhe nenhum deles. Tens-me a mim que chega. Ahahah.
Iara: Só tu mesmo, ahah . Obrigado bro.
Diogo: De nada sis, aqui para tudo, sabes.
Iara: Vá, beijinhos fofos, boa noite feio.
Diogo: Kiss no ass, brinca, beijinhos .
  Não, não consegui dormir com isto. Fiquei a noite toda a pensar, a repensar, a tentar que algo me dissesse com que devia ficar ou se devesse mesmo ficar sozinha.
Comecei a pensar no Pedro,
em aspectos físicos, diria que era perfeito. Alto, bom corpo, olhos lindos, cabelo "wow". Ele era um quebra-corações, sabia conquistar uma rapariga, sabia fazê-la sentir-se desejada e amada. E eu que o diga. Bem, ele era simpático, alegre, amigo, querido, mas também era mesmo mau e não sabia discutir. (se é que alguém sabe, mas ele discute de maneira muito bruta) Não queria perdê-lo, e ele provou-me. Pediu-me em casamento no meio de montes de gente e ainda por cima num lugar lindo ! Não podia negar que ele foi um grande amor em mim, foi talvez aquele grande amor, mas depois vem o Fábio.
O Fábio, é lindo como por dentro como por fora. Tem um ar de rapaz que anda com todas, mas ele só teve uma namorada a sério, essa que morreu e que se não tivesse eu não o teria conhecido e não teria-me envolvido com ele como envolvi. Então, que ele é assim megaaaaaaaaa querido, simpático, divertido, amoroso, sabe cozinhar (o que é bom), é alto, bonito, brincalhão, fofo, bem vou parar aqui. E digam-me, quem é que vocês acabavam por escolher ? É do tipo, quase impossível. E acho que esse "quase" está lentamente desaparecendo. Às vezes era tão bom desaparecer da face da Terra !
Por meras horas, consegui apagar-me de tudo, senti-me a flutuar e o vento a passar pela minha cara. O meu cabelo esvoaçava e naquele preciso momento, nem o Pedro nem o Fábio podiam estragá-lo.
   Essas meras horas, tornaram-se infinitas nos meus sonhos, pareciam ser uma eternidade que nunca me quereria livrar, é simplesmente perfeita. Perfeita de mais, até. O perfeito é impossível, mas neste sonho predominava. Como tudo o que é bom, não dura para sempre, este sonho não foi excepção. Acabou mais cedo do que queria, e o mais estranho é que, antes de acordar no meu sonho, estava um sinal a dizer "True Love" (sim, mesmo conveniente.) e havia uma seta a apontar para outro sinal com uma letra que não percebi qual era porque, acordei. Podia piorar ? Até os sonhos, eles conseguem estragar e invadir o meu pensamento. Fogo.
  Vá, lado positivo: hum, não há !
 Ai que nervos !  Não aguento mais isto.
 Quando pensava que nada se podia resolver, vi a luz no fundo do túnel: nada melhor do que faze "um-dó-li-tá" e se ficar desiludida com o que me calhar, escolho o outro porque esse é que me mais atrai.
Comecei pelo nome do Pedro e no fim acabou por eliminar o Fábio. Fiquei desiludida, mas seria com ele que queria e deveria ficar ? Bem, parece que isto quer que eu fique com o Fábio. Mas não me vou deixar manipular por uma coisa dessas, e vou ter que voltar a repensar tudo, again .  Estava farta de pensar e eram quase 6 da manhã. Portanto fui dormir.
Acordei mesmo tarde, tipo 5 da tarde. Não me apetecia estar com ninguém, e fui dar uma volta a pé por aí.
Fui andando e durante o caminho apreciava cada lugar por onde passava. A beleza de cada cor, flor, paisagem, enfim, tudo.
 Enquanto andava, ficava com uma fome, bem. E por isso decidi parar para comer e lá encontrei o André, o namorado da Marta.
André: Hey, oláá Iara !
Iara: Oh, olá André ! Por aqui ?
André: Pelos vistos, então e que fazes ?
Iara: Bem, para além de pensar na vida, vou comer. Ahah, e tu ?
André: O mesmo. - E revelou-se com ar abatido.
Iara: Que tens ?
André: Marta.
Iara: Que se passa ?
André: Ela acabou comigo.
Iara: O quê !?
André: Também fiquei assim, ela disse que não dava mais e acabou tudo.
Iara: Mas vocês amam-se !
André: Pois também não percebo, fiquei a pensar se tinha feito algo de errado, mas não. Não devo chorar ou pensar em pessoas que não me dão valor, e por isso vou desistir de vez dela.
Iara: Achas mesmo que é o melhor ?
André: Se não for, o que será ?
Iara: Pois não sei, mas ela parecia tão apaixonada da ultima vez que a vi.
André: Pois, enfim. Então e tu, a pensar no que ?
Iara: Amor, quer dizer, dois amores.
André: Pedro e quem ?
Iara: Fábio.
André: Quem é esse ?
Iara: Não conheces, ele mudou-se para cá há um mês e conheci-o numa festa que fui com a Vanessa.
André: Já estiveram juntos ?
Iara: Mais que isso, enfim. E eu o Pedro temos vindo a discutir quando conheci-o e ficava cheio de ciúmes ao ponto de fazer-me escolher ele ou o Fábio e é por isso que estou tão mal, não tens noção mesmo.
André: Oh miúda, onde te foste meter.
Iara: É, também acho. Que faço ?
André: Não sou o melhor para ajudar, mas acho que devias ficar com aquele que te faz mais feliz e que tens a certeza que não te vai desiludir.
Iara: Mas eu acho que eles me fazem feliz de igual maneira, e acho que nenhum deles me vai desiludir, apesar de o Pedro já o ter feito antes.

continua.

Sem comentários:

Enviar um comentário

expressa-te:

bright petals.